Só Alemanha, França e Espanha acompanham Portugal

Selecção nacional soma 11.ª participação consecutiva em grandes torneios internacionais, num registo impressionante iniciado em 2000.

Comemoração portuguesa pela conquista do Euro 2016
Foto
Comemoração portuguesa pela conquista do Euro 2016 Reuters/© Reuters Staff / Reuters

Na Europa, só as poderosíssimas Alemanha, França e Espanha conseguem acompanhar o ritmo de Portugal nas presenças em fases finais de grandes competições internacionais. Entre campeonatos europeus e mundiais, a selecção nacional soma a 11.ª participação consecutiva, confirmando que o futebol português continua a viver um período incomparável no seu historial.

O contraste com o passado é total. Até às vésperas do século XXI, a equipa portuguesa tinha-se apenas qualificado para quatro grandes torneios. A estreia só chegou no Mundial de 1966, mas foi em grande estilo. Terminou no terceiro lugar do pódio, que é ainda hoje o seu melhor desempenho de sempre na prova global. Depois desta fase final disputada em Inglaterra, teve de esperar duas décadas para voltar a um Mundial, numa presença bem menos comemorativa no México em 1986.

Em termos de Europeus, estreou-se em 1984, também com grande sucesso, numa fase final disputada em França, onde alcançou as meias-finais, eliminada pelo país anfitrião, liderado por Michel Platini. Serviria fria a vingança, 32 anos depois, com a conquista do Euro 2016, em Paris. Voltaria a um Euro em 1996, numa competição que teve a Inglaterra como anfitriã.

Nas duas últimas décadas, estas esporádicas aparições, transformaram-se numa rotina só ao alcance das grandes nações do futebol mundial. Com maior ou menor dificuldade, o selecionador nacional foi ultrapassando as sucessivas fases de apuramento, ainda que tenha sido obrigada, em três ocasiões, a entrar pela porta das traseiras do play-off de acesso. Assim selou a passagem de acesso aos Mundiais de 2010 e 2014 e Europeu de 2012.

Tem sido na prova continental que Portugal registou os maiores sucessos. Em 2004, numa fase final em que dispensou a qualificação pela condição de anfitrião, terminou na segunda posição, após uma final traumática no Estádio da Luz, em Lisboa, onde perdeu o jogo decisivo com a Grécia. Mas em 2016 daria um passo em frente, conquistando mesmo o certame.

Nas sete presenças que soma no torneio europeu, Portugal só não atingiu as semi-finais em 1996 e 2008, caindo em ambas as ocasiões nos quartos-de-final. Já nos Mundiais, o melhor que conseguiu, depois do sucesso de 1966, foi alcançar as meias-finais na Alemanha, em 2006, encerrando a participação com o quarto lugar. De resto, as restantes cinco participações não foram propriamente felizes: ficou-se pela fase de grupos em 1986, 2002 e 2014 e, quando ultrapassou este estágio, caiu logo nos oitavos-de-final em 2010 e 2018.

Em termos de qualificações, as últimas 11 participações raramente se traduziram num passeio para as cores nacionais. Só por duas ocasiões carimbou a passagem à fase final com distinção. No apuramento para o Mundial de 2006, venceu o seu agrupamento com sete pontos de vantagem para o segundo classificado, a Eslováquia; a mesma vantagem com que encerrou as contas da qualificação para o Euro 2016, agora sobre a Albânia.

Em outras duas ocasiões a selecção nacional também terminou em primeiro, na corrida para o recente Mundial de 2018 e para o Mundial de 2002, mas em igualdade pontual com a selecção que ficaria em segundo, a Suíça e a República da Irlanda, respectivamente. Nas restantes, nos Europeus de 2000, 2008, 2012 e 2020 – em 2004 ficou automaticamente apurado por ser anfitrião - e nos Mundiais de 2010 e 2014 terminou sempre na segunda posição, sendo obrigada a disputar em três destas ocasiões os já referidos play-off.

E o que podem indiciar estes registos? Pode ser coincidência, mas sempre que Portugal terminou isolado na primeira posição as suas qualificações protagonizou grandes presenças em fases finais: quarto lugar no Mundial 2006; campeão europeu em 2016. Uma lógica que se estendeu também às participações no século XX com o terceiro lugar no Mundial de 1966; meias-finais do Europeu de 1984 e os quartos-de-final do Euro 1996.