Xan Griffin/ Unsplash
Foto
Xan Griffin/ Unsplash

Holanda limita velocidade nas auto-estradas para melhorar qualidade do ar

De 130km/hora para 100km/hora: o Governo holandês vai baixar os limites de velocidade nas auto-estradas para travar as emissões de monóxido de nitrogénio.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, anunciou que a velocidade máxima vai passar de 130 km/hora para 100 km/hora em muitas das auto-estradas. A decisão é vista como uma derrota para Mark Rutte, cujo partido conservador é conhecido como “vruum vruum” devido ao apoio que dá aos motoristas.

O próprio primeiro-ministro admitiu estar “muito infeliz” com esta diminuição do limite máximo de velocidade, mas a medida decorre de uma decisão da Supremo Tribunal holandês, que considerou, em Maio, que as autorizações dadas pelo Governo a projectos emissores de monóxido de nitrogénio violam as leis ambientais da União Europeia. Isto levou ao congelamento das licenças dadas a vários projectos de construção.

O monóxido de nitrogénio é considerado, em conjunto com o dióxido de nitrogénio, um dos gases mais poluentes da atmosfera.

Em Outubro último, a Agência Europeia do Ambiente alertou, num relatório, para a má qualidade do ar, que continua a colocar em risco a saúde das pessoas, estimando que 90% das pessoas nas cidades respiram ar poluído. Segundo este relatório, a maioria dos europeus está exposta a um nível de poluição do ar além dos limites recomendados pela Organização Mundial de Saúde.

De acordo com o organismo europeu, as emissões perigosas não estão a diminuir suficientemente rápido. Na Europa, de acordo com o mesmo relatório, as emissões de muitos poluentes diminuíram nas últimas décadas, mas “as concentrações de poluentes no ar ainda são muito altas e persistem problemas de qualidade do ar”.

Em consequência, “uma percentagem significativa da população europeia vive em áreas, especialmente cidades, onde os padrões de qualidade do ar são ultrapassados”, nomeadamente poluição por ozono, dióxido de nitrogénio e partículas finas, três poluentes que mais afectam a saúde humana e representam “sérios riscos para a saúde”.

No relatório salienta-se que cerca de 90% dos habitantes das cidades da UE estão expostos a concentrações de poluentes superiores aos níveis de qualidade do ar que já são considerados prejudiciais à saúde. Segundo o relatório, a má qualidade do ar foi responsável por cerca de 400 mil mortes prematuras na UE em 2016.