Câmaras cobram mais impostos, têm menos dívida e estão mais rápidas a pagar

O Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses, referente a 2018, foi divulgado esta semana e mostra a tendência de redução de dívida que se vinha verificando nos últimos anos.

Sem surpresas, a Câmara de Lisboa é das que têm mais receita
Foto
Sem surpresas, a Câmara de Lisboa é das que têm mais receita Miguel Manso

O endividamento atingiu o valor mais baixo da última década e os impostos e taxas consolidam-se como a principal fonte de receitas próprias das autarquias. Estas são algumas das conclusões do Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses de 2018, um documento apresentado anualmente pela Ordem dos Contabilistas Certificados e que traça um retrato das 308 câmaras municipais do país. No entanto, há ainda sinais preocupantes, no documento que contou com a colaboração do Tribunal de Contas, como os 23 municípios que continuam a ter uma dívida superior ao permitido ou as câmaras que demoram mais de um ano a fazer pagamentos. Esta edição do anuário foi coordenada pela investigadora Maria José Fernandes, do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.