Ronald Wittek/EPA
Foto
Ronald Wittek/EPA

GNR investiga morte de lontras encontradas no rio Lima

Segundo a GNR de Viana do Castelo, o caso foi detectado a 20 de Outubro “havendo suspeitas de que as lontras tenham sido envenenadas”. Os animais foram encontrados junto à ecovia do rio Lima.

O Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR está a investigar as causas da morte de duas lontras encontradas no rio Lima, em Ponte de Lima. Segundo a fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo, o caso foi detectado no domingo, “havendo suspeitas de que as lontras tenham sido envenenadas”.

Os animais foram encontrados junto à ecovia do rio Lima, um percurso com uma extensão de cerca de 70 quilómetros que passa pelos concelhos de Viana do Castelo, Ponte de Lima, Ponte da Barca e Arcos de Valdevez. 

A fonte adiantou que os animais foram “recolhidos pelo Núcleo de Apoio Técnico (NAT) da GNR para preservação de eventuais vestígios de veneno”, sendo que “o auto de notícia foi elaborado pelo Núcleo de Protecção Ambiental do destacamento territorial de Arcos de Valdevez”. “O auto de notícia foi remetido para o SEPNA do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo que investigará o caso”, especificou a fonte.

Contactada pela agência Lusa, a vice-presidente da Câmara de Ponte de Lima, que detém a pasta do Ambiente, Mecia Martins, referiu que “as duas lontras foram detectadas, no domingo, por um funcionário da autarquia que, de imediato, accionou as autoridades”. As lontras foram detectadas “por baixo da ponte romana da vila, numa zona designada de Além do Rio Arcozelo”.

PÚBLICO -
Foto
As lontras encontradas mortas na ecovia do Rio Lima José Manuel Quintas

Mecia Martins adiantou tratar-se do “primeiro caso” do género registado no concelho, onde a presença das lontras de tornou “normal”. “Desde há cinco anos que é cada vez mais frequente vê-las no rio. Sempre houve um relacionamento saudável entre a população e a comunidade de lontras, tal como aconteceu, há uns anos, com os patos bravos”, destacou.