Estudo

As mulheres votam mais do que os homens, estão mais à direita e confiam menos

Estudo apresentado nesta quinta-feira descreve atitudes e comportamentos dos homens e mulheres portugueses relativamente à política, comparando-os com os de outros 20 países europeus.

Foto
As mulheres portuguesas votam mais do que os homens Nelson Garrido

As mulheres portuguesas dão menos importância à política do que os homens, mas são menos abstencionistas. Ao contrário de muitos países europeus, elas estão mais à direita e eles mais à esquerda e, partidariamente, é no PS que mais se equivalem. No que diz respeito à confiança nas instituições, são também as mulheres as mais desconfiadas. As conclusões constam de um estudo apresentado esta quinta-feira no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) da Universidade de Lisboa.

O estudo português é da autoria das sociólogas Anália Torres, investigadora no ISCSP e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Estudos de Género (CIEG), e Sara Martins, também do ISCSP. O trabalho faz parte do European Social Survey (ESS), um inquérito internacional que recolhe informação comparativa transnacional sobre atitudes e comportamentos. Este estudo realiza-se de dois em dois anos, desde 2002. O trabalho de campo do capítulo português foi realizado entre o final de 2016 e princípio de 2017.

No que respeita à participação e ao interesse pela política, o estudo de 2016 revela que as mulheres portuguesas dão menos importância à política do que os homens, embora ambos se situem no campo “pouco interesse”. O mesmo se verifica nos 21 países analisados na oitava edição do estudo. Ainda assim, as mulheres portuguesas participam mais em eleições do que os homens, com a taxa de abstenção entre o sexo feminino a situar-se em média nos 23,7% contra os 28% entre o sexo masculino.

A Finlândia é o país com maior percentagem de cidadãos que votam, enquanto a Federação Russa tem a maior percentagem de abstencionistas. Os países nórdicos tendem a apresentar a maior média de participação, ao contrário dos países do centro e do Leste europeu.

Mulheres mais à direita

De acordo com o estudo, a média de todos os anos em que o trabalho foi realizado (2002/2016) mostra que as mulheres portuguesas tendem a posicionar-se mais à direita que os homens. Apenas em 2004 e 2014 o sexo masculino esteve mais à direita do que o feminino.

Esta tendência contraria a média de todos os países participantes em que os homens apresentam uma maior tendência para se autoposicionarem mais à direita, por oposição às inquiridas do sexo feminino, que tendem a identificar-se como mais próximas da esquerda. Esta tendência verifica-se desde que o estudo é realizado, tendo apenas como excepção o ano de 2012, em que mulheres se situaram muito ligeiramente mais à direita que os homens.

Voltando a Portugal e olhando para os partidos de que homens e mulheres se sentem mais próximos, o sexo masculino aponta para forças políticas como a coligação CDU (PCP/PEV) e PCTP-MRPP, enquanto o sexo feminino aponta para partidos como o PAN, PSD e CDS. Os homens também preferem o PS, mas é neste partido que o sexo masculino e o feminino mais se equivalem, com os primeiros a terem uma média de 44,9% e as segundas com 42%.

Em termos de confiança interpessoal nas instituições, Portugal ficou sempre abaixo da média de todos os países inquiridos.

Homens confiam mais

No nosso país as mulheres mostram, ao longo do tempo, uma tendência a apresentarem um menor grau de confiança nas outras pessoas e instituições. Em 2016, a maior desconfiança dos portugueses foi para o sistema político (Assembleia da República, políticos e partidos políticos). Seguiu-se sistema jurídico e as instituições políticas internacionais (Parlamento Europeu e Nações Unidas). O maior grau de confiança dos portugueses é para com a polícia.

Em sete dos oito estudos realizados, as mulheres portuguesas mostraram sempre um menor grau de confiança. Apenas houve uma excepção em 2010, em que os homens se mostraram ligeiramente mais desconfiados do que as mulheres. Em 2016, as mulheres confiaram menos em quase todas as instituições do que os homens. Apenas a polícia merece mais confiança por parte do sexo feminino do que do masculino.

As mulheres portuguesas manifestam ainda um menor grau de satisfação do que os homens com o funcionamento da democracia, com a economia, com a educação, com os serviços de saúde e com a vida em geral.

O ESS foi realizado nos seguintes países: Finlândia, Islândia, Noruega, Holanda, Suécia, Alemanha, Áustria, Bélgica, França, Irlanda, Reino Unido, Suíça, República Checa, Eslovénia, Estónia, Federação Russa, Hungria, Lituânia, Israel, Polónia, Espanha, Itália e Portugal.