Portugueses são dos mais satisfeitos com o Governo. Mas não com a vida em geral

Continuamos a ser dos europeus que se consideram menos satisfeitos com a vida. Já na hora de avaliar o Governo, estamos em 4.º lugar dos que mais contentes se sentem. Uma satisfação que não tem correspondência na avaliação ao estado da Economia: o país é o 5.º menos agradado com a situação económica.

Portugal
Foto
Paulo Pimenta

Portugal é dos países europeus com índices mais altos de satisfação com o Governo. Ocupa o 4.º lugar entre 23, mostram os últimos dados do European Social Survey (ESS), um estudo internacional, feito a cada dois anos, desde 2002. Portugal é também um dos países onde a satisfação com quem o governa mais aumentou entre 2014 e 2016, passando de 3,01 para 5,02, numa escala de zero a 10.

A pergunta feita neste inquérito é algo como: “Pense agora no Governo. Qual é o seu grau de satisfação com a forma como o Governo está a actuar?” Até agora, a nota máxima que os portugueses tinham dado a um executivo tinha sido 3,61 pontos, em 2006. Em 2012, por exemplo, verificou-se o grau de satisfação mais baixo desde que o estudo é feito, com 2,15.

PÚBLICO -
Aumentar

O ESS mede diferentes variáveis em vários países europeus — satisfação com as instituições, abertura à imigração, sentimento de felicidade, por exemplo — a partir de um inquérito a 44.387 pessoas com mais de 15 anos. No que diz respeito à satisfação com o Governo, Portugal só é agora ultrapassado pela Suíça (1.º lugar, com 6,58 pontos), Noruega e Holanda (5,58 e 5,46, respectivamente). A Itália está no pólo oposto, com 3,7 pontos, seguida da França e da Espanha, os 2.º e 3.º mais insatisfeitos.

Já se analisarmos a satisfação dos portugueses com o “estado da economia no país”, a boa pontuação altera-se radicalmente e Portugal passa para o 5.º lugar mais baixo no grupo de 23. Esta mudança brusca entre a avaliação que se faz ao Governo e à economia já não acontece com países como a Noruega, Suíça e Holanda, que pouco alteram as posições relativamente à sua satisfação com o Governo, ficando em 1.º, 2.º e 4.º lugares, respectivamente (o 3.º mais satisfeito com o estado da economia nacional é a Alemanha).

Opinião consolidada

Em Portugal, a última leva de dados do ESS foi recolhida entre Outubro de 2016 e Junho de 2017, junto de uma amostra de 1270 pessoas. O trabalho foi coordenado pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-UL). O conselho científico internacional inclui académicos de várias universidades europeias.

Os resultados não são muito diferentes dos recolhidos pelas sondagens do Eurobarómetro anualmente, começa por dizer a politóloga Marina Costa Lobo. “Depois de valores preocupantemente baixos de satisfação com a democracia e com o Governo durante a troika, tem havido uma recuperação notável que, aliás, começa em 2015 mesmo antes das eleições.”

A satisfação com o Governo distingue Portugal “no contexto europeu”, analisa. “E sobretudo contrastamos com Espanha e Itália onde, apesar da crise da zona euro ter sido supostamente ultrapassada, a satisfação com o Governo não regressou.” 

PÚBLICO -
Aumentar

Para a politóloga, “o bom desempenho português” explica-se com “a capacidade que o Governo e o primeiro-ministro têm para gerir expectativas”. “A isso há que aliar o pragmatismo do BE e PCP em São Bento, e um Presidente com espírito de consenso em Belém.” Porém, os resultados sobre a insatisfação com a situação económica “mostram as fragilidades do nosso statu quo”. Ressalva: estes dados estão agregados e normalmente quem mais está satisfeito com o Governo tem igualmente uma visão mais optimista da economia. Não acontece em Portugal.

Para Rui Brites, sociólogo que escreveu uma tese de doutoramento com o título Valores e Felicidade no Século XXI: Um Retrato Sociológico dos Portugueses em Comparação Europeia (ISCTE-IUL, 2011), os dados do ESS sobre o Governo são surpreendentes e “reflectem, sem dúvida, a expectativa positiva com a mudança do Governo” porque a recolha foi feita em finais de 2016 e 2017. “Ou seja, a opinião dos portugueses sobre a governação está consolidada”.

Mais satisfeitos e felizes

Acham, contudo, mais do que em qualquer outro país, que o Governo deve tomar medidas para reduzir as diferenças entre os níveis de rendimentos dos cidadãos: quase nove em cada dez inquiridos concordam com essa afirmação.
Já em relação aos índices de satisfação com a vida, Portugal mantém-se num dos lugares mais baixos. Quando a pergunta é “quão satisfeito com a sua vida, no seu conjunto, está hoje em dia?”, somos os 3.º menos satisfeitos (damos uma nota de 6,38, numa escala de zero a dez). Pior só na Rússia (5,6) e Lituânia (6,1).

Ou seja, os resultados não espelham o mesmo grau de satisfação que existe com o Governo — mais uma vez, ao contrário do que acontece em países como a Noruega ou Suíça, que apresentam altos níveis de satisfação quer com a actuação dos governantes, quer com a vida em geral. Em relação a esta última, são os suíços os que mais satisfeitos com a sua vida estão (8,13 pontos). A Noruega ocupa o 4.º lugar.

Quanto à percepção da felicidade (“considerando todos os aspectos da sua vida, qual o grau de felicidade que sente, numa escala de zero a dez?”), Portugal está melhor: é 16.º em 23 países. Ainda assim, Rui Brites destaca que, em relação aos índices de satisfação com a vida e à felicidade, se registou um aumento estatisticamente significativo: de 5,76 para 6,38, no primeiro caso, e de 6,89 para 7,41 no segundo. Nunca em Portugal se tinha chegado aos seis pontos no primeiro caso nem aos sete no segundo. Ou seja, os portugueses sentem-se mais felizes e mais satisfeitos. “Note-se ainda que as respostas a questões deste género são muito influenciadas pela idiossincrasia do país. Por norma, os portugueses não respondem nas ‘pontas da escala’, são moderados nas respostas. Nem se sentem muito mal, nem muito bem, antes assim-assim”, completa.

Noutras dimensões, continuamos com percepções negativas. É o caso da avaliação do Serviço Nacional de Saúde, onde estamos na 9.ª posição mais insatisfeita (com uma média de 5,2). Os belgas são os que mais positivamente avaliam o seu serviço de saúde (7,37) e, mais uma vez, a Suíça e a Noruega também o avaliam mais positivamente do que os outros. A percepção sobre o estado de saúde em Portugal não difere muito: os portugueses foram os segundos a responder que a sua saúde estava normal, má ou muito má. Só 49% disse que estava boa ou muito boa.