Matosinhos investe 1,5 milhões de euros em espaços e equipamentos para animais

O orçamento prevê um parque das matilhas, que deverá estar concluído até meados de Outubro. Desde o final de 2018 que 39 cães vadios (adultos e bebés) foram retirados da rua e aguardam a transferência para esse parque.

Foto
Adelaide Carneiro/ARQUIVO

A Câmara Municipal de Matosinhos vai investir 1,5 milhões de euros em espaços e equipamentos para animais, nomeadamente na construção de um parque para matilhas, abrigos caninos ou parques, adiantou esta quinta-feira à Lusa a presidente.

Entre o conjunto de investimentos, Luísa Salgueiro destacou a criação de parques caninos — espaços de recreio para cães não reactivos e de raças não potencialmente perigosas com zonas verdes e de recreio, bebedouros, bancos, receptáculo de lixos e dispensador de sacos para remoção de dejectos.

Depois de inaugurar o primeiro em Setembro de 2017, no Parque Ambiental da Ribeira de Picoutos, a autarquia vai agora abrir o segundo com 1790 metros quadrados, quando se assinala o Dia do Animal, junto ao Conjunto Habitacional da Seara, com um investimento de 31 mil euros.

Além destes, a autarca, eleita pelo PS, contou que um terceiro parque será construído em São Mamede de Infesta, estando já em fase final de projecto.

Luísa Salgueiro anunciou ainda que, até meados de Outubro, deverá estar concluído um parque das matilhas, em Custóias, destinado a acolher os cães assilvestrados que serão vigiados e tratados por tratadores e voluntários. Com um custo de 100 mil euros, o espaço será amplo e com abrigos, vegetação e sombra. “Cada matilha terá o seu espaço próprio e estará separada das outras”, referiu.

Desde o final de 2018 que 39 cães assilvestrados (adultos e bebés) foram retirados da rua e aguardam a transferência para o parque das matilhas, adiantou, acrescentando estarem mais 11 matilhas sinalizadas, o que significa cerca de 100 animais.

A autarca salientou que o Centro de Recolha Oficial de Animais de Matosinhos (CROAM) atingiu a sua capacidade máxima, alojando 150 cães e 30 gatos, e que, por isso, vai sofrer uma reorganização que passa pela criação de novos espaços, adaptação de instalações e contratação de nove profissionais.

Por forma a incentivar a adopção, a câmara oferece a vacinação e desparasitação dos animais e assinou protocolos de cooperação com sete centros de atendimento médico-veterinário do concelho para proporcionar descontos em consultas, vacinação e cirurgias.

A par disso, o concelho, no distrito do Porto, vai receber o Centro de Recolha Animal da Sociedade Protectora dos Animais com capacidade para acolher mais de mil animais.

O centro vai ter 494 canis, 30 gatis, clínica, hospital médico-veterinário, edifícios de apoio, zonas ajardinadas e estacionamento.

Com um custo estimado de dois milhões de euros, 800 mil euros dos quais por parte da câmara local, a obra deverá arrancar no início de 2020.

Sugerir correcção