Mais utilizadores em Portugal escolhem WhatsApp e Instagram

A conclusão é da edição de 2019 do estudo Os Portugueses e as Redes Sociais, da Marktest.

Foto
Em Portugal, o smartphone continua a ser o aparelho mais utilizado para aceder às redes sociais Nelson Garido

O Instagram e o WhatsApp estão a conquistar mais utilizadores em Portugal. Embora, o Facebook continue a ser a rede social dominante – com 95% dos inquiridos num estudo recente a admitirem ter uma conta e 98% a referirem espontaneamente aquele site como um exemplo de rede social – outras aplicações como o WhatsApp e o Instagram estão a ganhar terreno.

Em 2019, 74% de pessoas inquiridas em Portugal referem ter uma conta no WhatsApp (o dobro que em 2016), fazendo do serviço de mensagens a segunda rede social mais popular no país. Já 68% dizem que usam o Instagram, que é descrito pelos utilizadores como “a rede social mais actual”. É um valor quatro vezes superior ao de 2013, e quase dez pontos percentuais acima do referido no ano passado. Tanto o WhatsApp como o Instagram são propriedade do Facebook.

Os dados são da edição de 2019 do estudo Os Portugueses e as Redes Sociais, produzido pela Marktest, uma empresa de análises, desde 2009 para dar a conhecer índices de notoriedade, utilização, opinião e hábitos dos portugueses face às redes sociais. A conclusão é que o WhatsApp e o Instagram estão a tornar-se mais relevantes junto dos portugueses, com a aplicação de partilha de imagens, em particular, a apresentar uma forte tendência de subida, com 85% dos entrevistados a mencioná-la como o primeiro exemplo dado para uma rede social. 

Para chegar aos resultados foram realizadas cerca de oito centenas de entrevistas durante o mês de Julho a indivíduos entre os 15 e os 64 anos, residentes em Portugal Continental e utilizadores de redes sociais.

A outra grande conclusão do estudo é que o abandono das redes sociais em Portugal é um fenómeno que se está a tornar menos comum, com apenas 18,8% dos utilizadores de redes sociais a deixarem de utilizar alguma destas plataformas nos últimos 12 meses. Entre os que abandonaram alguma rede, o Snapchat, uma aplicação que nasceu para trocar mensagens privadas que desaparecem ao fim de 24 horas, foi a mais citada (31,6% de utilizadores abandonaram o serviço), seguindo-se o Twitter (22,5%) e o Facebook (19,3%).

Em Portugal, o telemóvel continua a ser o aparelho mais utilizado para aceder às redes sociais. Mais de metade dos inquiridos admite usar as suas contas nas redes sociais para se manter a par das novidades de empresas e marcas que seguem.