Crónica de jogo

Duplo erro dita derrota do Vitória em Liège

Vimaranenses equilibraram a partida mas sucumbiram na segunda parte diante do Standard.

Foto
Reuters/FRANCOIS LENOIR

Poderia ter sido diferente o resultado, mas dois erros individuais acabaram por contribuir para a derrota do V. Guimarães na Bélgica. Na 1.ª jornada do Grupo F da Liga Europa, o Standard Liège foi mais eficaz na finalização nos momentos decisivos e desfez na segunda parte o equilíbrio que se registou na primeira (2-0).

No Estádio Maurice-Dufrasme, Ivo Vieira apresentou uma equipa cujos equilíbrios defensivos assentavam nas acções de Poha e Mikel Agu e que tinha no brasileiro Lucas Evangelista o jóquer de serviço. O criativo tanto funcionava como terceiro médio como ensaiava aproximações a Léo Bonatini, procurando também com a qualidade e o critério do seu passe as incursões à largura de Rochinha (direita) e Davidson (esquerda).

Do lado contrário, o Standard (actual líder da Liga belga, mas com mais um jogo que o Club Brugge) dispunha-se num 4x3x3 que, em organização ofensiva, dependia muito da fantasia de Mehdi Carcela e da capacidade física de Limbombe para criarem espaço para Emond. Um tridente que os portugueses conseguiram manietar com eficácia ao longo do primeiro tempo.

Depois de 45 minutos jogados maioritariamente longe das balizas, a segunda parte mudou de tom. O Vitória começou por ameaçar primeiro, com uma dupla tentativa (Poha e Davidson na recarga) a ser travada pelo guarda-redes Milinkovic-Savic, mas seria o Standard a chegar ao golo. Aos 65’, o lateral Vojvoda arrancou um cruzamento para a área vitoriana e Florent, ao tentar o corte, desviou para o fundo da baliza.

A reacção minhota demorou cerca de 10 minutos, durante os quais Bastien esteve perto do 2-0, e só não deu frutos porque Bruno Duarte (rendeu Bonatini) viu o remate ser desviado já na área belga após um livre indirecto. Logo a seguir, foi Tapsoba a ficar perto do empate num cabeceamento que Milinkovic-Savic contrariou com uma enorme defesa.

O central burquinês estaria ligado a um golo, de resto, mas na baliza do Vitória, devido a uma má abordagem a um lance aéreo que permitiu ao médio congolês M’Poku isolar-se perante Miguel Silva e resolver o encontro, aos 90’. Um golpe demasiado duro para a prestação competente de um Vitória que terá, na próxima jornada, uma missão bem mais espinhosa, em Guimarães.