América

O furacão Dorian destruiu tudo à sua passagem nas Bahamas

REUTERS
Fotogaleria
REUTERS

O furacão Dorian que atingiu as Bahamas no domingo passado destruiu tudo à sua passagem. A destruição é mais visível nas ilhas Abaco, no Norte do arquipélago, onde viviam 36 dos 43 mortos já confirmados. Além desses mortos e dos muitos outros que se temem ainda vir a ser encontrados, nas Abaco nada funciona: nem água, nem luz, nem telecomunicações. Quase uma semana depois da passagem do furacão, a ajuda não chegou a toda a população que só quer sair o mais depressa possível.

Muitas pessoas ainda estão desaparecidas (as autoridades falam em milhares), muitos cadáveres jazem abandonados um pouco por todo o lado, decompondo-se. As pessoas que falam com os jornalistas descrevem a luta com o vento e a água que inundou tudo muito rapidamente.

O Dorian, de categoria 5, passou pelas Bahamas com ventos de mais de 300 km, destruindo ou danificando mais de 13 mil casas e deixando 76 mil pessoas a precisar de ajuda, incluindo sobreviventes a precisarem de atenção médica. As primeiras estimativas apontam para estragos no valor de sete mil milhões de dólares (6,35 mil milhões de euros).

REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
REUTERS
Sugerir correcção