Juventus entra a vencer no desespero de Ronaldo

Português falhou mais de uma mão-cheia de oportunidades de golo e chegou a dar sinais de desespero perante o desacerto na finalização.

Ronaldo no jogo deste sábado frente ao Parma
Foto
Ronaldo no jogo deste sábado frente ao Parma Reuters/ALBERTO LINGRIA

A Juventus entrou na Liga italiana 2019-20 com um triunfo fora de casa, frente ao Parma, por 0-1. Neste sábado, o único golo do jogo foi do central Chiellini, que “salvou” uma tarde de desperdício de Cristiano Ronaldo.

A Juventus surgiu na nova época com “cara de 2018-19”. Nenhum dos reforços foi titular – Maurizio Sarri deixou De Ligt e Rabiot no banco e Ramsey nem isso – e a equipa surgiu num 4x4x2 assimétrico, com Douglas Costa na direita e o corredor esquerdo a ser ocupado, à vez, por vários jogadores – Matuidi, Alex Sandro e até o próprio Ronaldo.

Em Parma, apesar de a Juventus ter surgido com um “onze” parecido com a equipa-base da época anterior, a primeira parte até mostrou algum “dedo“ de Sarri. A equipa mostrou-se preocupada em “abafar” o adversário e recuperar rapidamente a bola – ainda que a pressão tenha sido ainda algo descoordenada – e construiu algumas jogadas interessantes com combinações curtas.

Depois de Chiellini ter adiantado a Juventus, num lance confuso após um canto, Douglas Costa iniciou uma jogada que teve toques de classe de Pjanic e Higuaín, antes de Ronaldo falhar na “cara do golo” – e já aos 13 minutos tinha falhado uma grande oportunidade, de cabeça.

Pouco depois, a “Juve” pensou ter chegado ao 0-2. Douglas Costa e Ronaldo saíram em contra-ataque e o brasileiro soltou para o português. Sobre a direita, Ronaldo driblou o compatriota Bruno Alves, capitão do Parma, e rematou rasteiro e cruzado para a baliza. Houve festejo, houve sorrisos, houve abraços, houve placard a mexer, mas… só não houve golo. Depois de alguma espera pelo veredicto do VAR, o árbitro assinalou fora-de-jogo, fruto de um adiantamento milimétrico de Ronaldo.

A segunda parte foi mais equilibrada e houve muito espaço para transições de ambos os lados, com a “Juve” a regressar ao futebol mais previsível de 2018-19.

Douglas Costa continuou, ainda assim, a ser o criador, inventor e municiador de quase todos os lances perigosos. Fê-lo aos 60 minutos, para um falhanço pouco habitual em Ronaldo, e fê-lo pouco depois, para um remate perigoso de Higuaín.

Ronaldo voltou a tentar aos 65 minutos, num “tiro” de fora da área, e aos 71’, após iniciativa individual, mas já se limitava a olhar para o céu: foi a sexta oportunidade de golo que o português não concretizou. Recorde-se que já na última temporada o avançado iniciou a época com o famoso bloqueio no “frasco de ketchup” - só marcou na quarta jornada.