Feira vai investir 5,3 milhões para renovar mais 25.000 luminárias da rede pública

Com a mudança para iluminação LED, o município espera poupar pelo menos 50% da despesa actual com este serviço.

Emídio Sousa espera poupar 1,5 milhões de euros com esta opção
Foto
Emídio Sousa espera poupar 1,5 milhões de euros com esta opção Adriano Miranda

A Câmara de Santa Maria da Feira vai abrir concurso público para continuar a renovar a iluminação pública local, anunciando hoje 5,3 milhões de euros para substituirá mais 25.000 luminárias obsoletas desse concelho do distrito de Aveiro. “A nossa factura global com iluminação pública era superior a três milhões de euros por ano, mas já fizemos alguma poupança com as intervenções realizadas até agora e, no final, depois de tudo substituído, a expectativa é de possamos reduzir em 50% ou mais essa despesa e que todo o investimento seja recuperado em três ou quatro anos”, declarou à Lusa o presidente da câmara, Emídio Sousa.

Em causa está uma estratégia faseada com a qual o município da Feira quer melhorar a eficiência energética da rede de iluminação pública dos 213 quilómetros quadrados do concelho, onde entre Janeiro e Agosto de 2019 a autarquia já investiu 1,1 milhões de euros para substituir 7.000 luminárias. A avaliar pelos objectivos visados com a anterior operação, que estimava que a mudança desses 7.000 pontos de luz para tecnologia mais eficiente permitiria uma poupança superior a 437.000 euros por ano nas freguesias intervencionadas, espera-se agora que a empreitada seguinte corte mais 1,5 milhões de euros à factura anual de iluminação pública.

“Aproximando-se do conceito de smart city, a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira continua a investir em soluções tecnológicas que contribuam para a melhoria da qualidade de vida da população e dos serviços públicos prestados, e, nesse âmbito, aprovou a abertura do concurso público para instalação de novas luminárias”, revela outra fonte da câmara. Em todas as fases do programa, o procedimento vem sempre implicando que lâmpadas activadas por sódio de alta pressão sejam substituídas por mecanismos LED (que é a expressão traduzível por Diodo Emissor de Luz).

Tendo em conta que o concurso público para a próxima empreitada só deverá concluir-se ao fim de nove meses, a obra será para arrancar em meados de 2020 e terá depois um prazo de execução de dois anos. A fase anterior, concretizada entre Janeiro e Agosto de 2019, teve um apoio comunitário na ordem dos 95%, mas para a etapa que agora se inicia ainda não está assegurada qualquer comparticipação. “No entanto, o município está atento a oportunidades de financiamento e, caso surjam anúncios na área da eficiência energética, candidatará esta empreitada”, revelou fonte da Câmara.

O novo concurso público exige que a introdução das novas luminárias LED permita a regulação da rede à distância, de acordo com as necessidades de “potência e fluxo de funcionamento” das respectivas localidades. Esses novos pontos de luz também estarão equipados “com sensores que permitirão, no futuro, a telegestão da iluminação pública municipal, de forma mais sustentável e inteligente”.

Sugerir correcção