PSP abre inquérito a polícias que meteram baixa médica

Agentes de três Equipas de Intervenção Rápida da Esquadra de Intervenção e Fiscaliação Policial do Seixal faltaram ao serviço e deixaram a divisão sem meios. Direcção Nacional ordenou que se apresentassem ao médico do Comando Distrital de Setúbal para verificar doença.

Equipa
Foto
Direcção Nacional da PSP quer verificar baixas médicas dos policias Rui Gaudencio

Os agentes da PSP de três Equipas de Intervenção Rápida (EIR) da Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial (EIFP) do Seixal que faltaram ao serviço, na quinta-feira, alegando baixa médica, vão ter de se apresentar ao médico do Comando Distrital de Setúbal.

O anúncio foi feito pela Direcção Nacional da PSP em comunicado, referindo que foi também aberto um inquérito a esta situação que surge na sequência da notícia do PÚBLICO em que é referido que agentes da PSP meteram baixa médica deixando divisões sem meios em Almada e no Seixal.

“O Director Nacional da PSP determinou a abertura de um inquérito para apurar as circunstâncias em que as baixas ocorreram, tendo sido, ainda, determinado que os polícias nesta situação se apresentassem ao médico do Comando Distrital de Setúbal para confirmação do estado de doença”, lê-se no comunicado.

Tal como o PÚBLICO noticiou na edição desta sexta-feira, oito agentes da PSP da Equipa de Intervenção Rápida (EIR) da Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial (EIFP) do Seixal, que iriam estar de serviço das oito da manhã às 20h de quinta-feira, faltaram ao serviço. Sete meteram baixa médica e um deles meteu assistência à família.

Os agentes da Divisão do Seixal e de Almada apenas contaram com o apoio de Setúbal — que demoraria cerca de 40 minutos a responder, caso fosse necessário —, o que motivou uma comunicação do Comandante distrital de Setúbal, Manuel Viola Silva, aos seus oficiais, chefes e agentes.

O comandante lamentou a atitude e fez referências ao facto de circular na Internet uma sugestão de forma de luta que passa por os agentes meterem baixa médica de forma concertada: “Apenas irá prejudicar e colocar ainda mais em risco os seus camaradas que comparecem no seu local de trabalho”.

O PÚBLICO sabe que o Movimento Zero — de defesa dos elementos das forças de segurança em Portugal, no grupo que tem na redes sociais —, tem incentivado os agentes a meterem baixa médica entre 15 a 18 de Agosto como forma de protesto.