E que tal alugar uma piscina privada? Os Airbnb das piscinas já nadam em Portugal

A Swimmy, plataforma internacional que permite alugar piscinas, abre-se a Portugal. E já há projecto português a começar a nadar nas mesmas águas, a B’Pool.

,Pampilhosa da Serra
Foto
Uma das primeiras piscinas disponíveis na B'Pool, em Álvaro, Oleiros (Castelo Branco) DR

Ainda há dias dávamos notícia da chegada a Espanha da Swimmy, uma plataforma iniciada em França para alugar piscinas privadas, e agora a empresa já começa a abrir-se a Portugal, aceitando, por agora, inscrições lusas no site espanhol. Enquanto isso, acaba até de ser lançada uma plataforma de origem portuguesa com o mesmo conceito, destinada a quem quer, à Airbnb, alugar uma piscina por horas ou dias.

A Swimmy chegou a Espanha no início do mês de Julho e, segundo contou ao PÚBLICO Alexia O’Mahony, responsável do desenvolvimento desta plataforma, prevê-se que os serviços da Swimmy cheguem oficialmente a Portugal em 2020.

Apesar de a entrada no nosso país depender da recepção de Espanha à Swimmy, nesta plataforma de aluguer de piscinas privadas, criada há dois anos em França, já havia uma piscina disponível em Portugal. Segundo nos diz O’Mahony, já são “muitos os portugueses que fazem perguntas e que têm interesse em inscrever-se”.

Questionada sobre a actividade do projecto em França e Espanha, Alexia O’Mahony garantiu que “tudo funciona muito bem”. “Os espanhóis já estavam à espera de uma plataforma assim e, para já, toda a gente está a gostar dos dias passados nas piscinas”, esclareceu, assegurando que “o feedback é óptimo”.

Actualmente, em Espanha o site tem várias dezenas de piscinas (distribuídas principalmente entre Madrid, Barcelona, ​​Sevilha, Córdoba, Valência, Múrcia, Málaga e Alicante) e conta, segundo a empresa, com mais de mil utilizadores registados. Além de Portugal, a empresa quer também avançar nos EUA, onde já existe este serviço, caso da Swimply.

A portuguesa B'Pool dá as primeiras braçadas

Lançada há três semanas, aproximadamente, a B’Pool aplica os moldes do Airbnb ou do Booking às piscinas. O projecto está em fase de arranque e contava à altura de publicação deste artigo apenas com duas piscinas inscritas, embora o responsável pelo projecto, André Sousa, garanta que cerca de duas dezenas estão prontas a completar o registo no site. Apesar de neste momento a aposta ser em alojamentos locais, como hotéis e pousadas, o objectivo é chegar às casas que “queiram utilizar a B’Pool como forma de receita extra”, explica-nos.

A ideia surgiu numa conversa informal, enquanto André Sousa pensava em alternativas para “a confusão das praias e das piscinas públicas”. Após uma pesquisa na internet, percebeu que apesar de existirem hotéis que prestassem estes serviços, não havia nenhuma plataforma portuguesa que agregasse quer alojamentos locais, quer piscinas privadas.

O sistema, cujo registo demora menos de cinco minutos, é semelhante ao que já fui implementado noutros países, como França e Espanha, pela Swimmy. O proprietário ou explorador da piscina insere o anúncio, o utilizador vai seleccionando as piscinas mediante o seu gosto e possibilidade financeira e, caso queira usufruir da piscina, faz um pedido de reserva. Este é validado num prazo máximo de 24 horas pelo proprietário. Seja sozinho, em família ou com amigos, a B’Pool irá permitir à pessoa o usufruto de uma piscina e das suas comodidades, como espreguiçadeiras, jacuzziwi-fi, sombras e insufláveis, sem o alvoroço de uma piscina pública ou de uma praia lotada.

O pagamento é feito através da plataforma, directamente ao proprietário – a B’Pool não obtém receita através do utilizador – e a reserva fica confirmada. No dia, a pessoa aparece na morada indicada para desfrutar da piscina, tal como acontece no Booking.

Embora já tenha utilizadores inscritos, ainda não houve qualquer transacção na B’Pool. Para já, e segundo o responsável, o objectivo é “angariar uma média de 40 a 50 piscinas até ao final do ano”. Em 2020, André Sousa espera que a plataforma consiga obter o registo de cerca de “400 piscinas”.