Marc Márquez reforça domínio do Mundial com triunfo em Brno

Miguel Oliveira terminou a prova na 13.ª posição e voltou a pontuar.

Foto
LUSA/MARTIN DIVISEK

Marc Márquez (Honda) deu seguimento à pole position alcançada na véspera e conquistou neste domingo o Grande Prémio da República Checa, em MotoGP. Foi o sexto triunfo do espanhol na presente temporada, o que lhe permite ampliar para 63 pontos a vantagem face a Andrea Dovizioso (Ducati), segundo classificado da corrida e do Mundial de pilotos. O português Miguel Oliveira (KTM) terminou a prova na 13.ª posição e somou mais três pontos.

Foi um início de tarde francamente tranquilo para o campeão do mundo, no circuito de Brno. Depois de ter sido o mais rápido nos treinos de qualificação, algo que aconteceu também pela sexta vez em 2019, Márquez geriu a frente da corrida sem sobressaltos, dominando do início ao fim e terminando-a em 39m24,430s, 2,4 segundos à frente de Dovizioso.

Este triunfo faz do piloto espanhol, de 26 anos, o quarto da história a chegar às 50 vitórias na categoria-rainha do motociclismo de velocidade. Ele que, na véspera, já tinha alcançado outro marco, ao igualar o australiano Michael Doohan, com 58 pole positions no currículo.

O pódio na República Checa, onde se disputou a 10.ª corrida do calendário, ficou completo com Jack Miller (Ducati), que travou uma interessante luta com Álex Rins (Suzuki) até final. A ultrapassagem do australiano foi conseguida a duas voltas do fim, sem que o espanhol (actual quarto classificado do Mundial) tenha conseguido reentrar na discussão pelo terceiro posto.

"Decidi manter o meu ritmo porque eles [Ducati] tinham sido rápidos no aquecimento e então fui sempre insistindo. Só nas últimas voltas é que consegui alargar a vantagem e gerir um pouco mais. Foi um fim-de-semana muito bom para nós”, sublinhou Márquez, que detém agora 210 pontos no topo da classificação.

Quanto a Dovizioso, mostrou-se satisfeito por ter terminado no pódio, meta que tinha falhado nas três corridas anteriores, mas considerou que a prova foi “estranha”. “Foi muito rápida no início, depois estabilizou e a meio da corrida ele [Márquez] esticou um pouco e já não consegui acompanhar. Mas queria acabar no pódio, isso é muito importante”, resumiu.

Miguel Oliveira, que tinha partido da 16.ª posição depois de ter falhado a Q2 em Brno, conseguiu recuperar três posições e juntar mais três pontos ao currículo. O português, que soma 21 no total e ocupa o 18.º posto (em igualdade com o 17.º Johann Zarco), fechou a corrida a 22,539s do vencedor, mas a menos de seis segundos do top10 e a menos de três de Francesco Bagnaia (Ducati), que foi 12.º na República Checa.

Este foi o terceiro melhor resultado da temporada para o piloto de Almada (foi 11.º na Argentina e 12.º no Qatar), que terá como próximo desafio o Grande Prémio da Áustria, já no próximo fim-de-semana.