Na Cova da Beira, o pulmão do pêssego nacional

Por estes dias, os pomares da Cova da Beira são autênticas centrais de pêssegos. O corrupio é intenso porque o fruto não se quer a descansar: quer-se apanhado e na casa do consumidor em poucos dias. É “a fruta da época” por excelência. E a Beira Interior o seu terreno predilecto – entre aldeias históricas e de montanha, é o pêssego que manda no Verão.

Fotogaleria
Fernando Valério, produtor de pêssego de Orjais Sérgio Azenha
Fotogaleria
Orjais Sérgio Azenha
Fotogaleria
Orjais Sérgio Azenha
Fotogaleria
Orjais Sérgio Azenha
Citrus
Fotogaleria
Sérgio Azenha
Fotogaleria
Soalheira, Fundâo - Quinta da Fadagosa Sérgio Azenha
Fotogaleria
Soalheira, Fundâo - Quinta da Fadagosa Sérgio Azenha
Fotogaleria
Soalheira, Fundâo - Quinta da Fadagosa Sérgio Azenha
Fotogaleria
Soalheira, Fundâo - Quinta da Fadagosa Sérgio Azenha

Do alto da Senhora das Cabeças, a vista não se perde no horizonte. Este é amplo q.b., mas fecha-se em montes e montes. “Está a ver o camião branco? Ali é a A23 para a Covilhã.” E é uma linha que adivinhamos bamboleante na encosta. O que vemos parece um anfiteatro (nós estamos num “camarote” nele) a convergir numa planície disciplinada em manchas que vão trepando encostas suaves para além das quais se eriça a paisagem da serra da Estrela. Abaixo de nós o casario de Orjais, Fernando Valério desconstrói o que vemos para além, declinando os verdes pela sua gradação para “leigo ver”: os mais escuros, são macieiras, os mais claros, vinhas, os intermédios, pessegueiros – todos em rigorosa esquadria. Ao fundo há nogueiras, também (ele sabe, porque são dele); a mancha amarelada do tamanho de vários campos de futebol é de milho (a haver). Por detrás do espesso arvoredo que pinta uma faixa escura, “está o rio Zêzere”. É o verde intermédio que domina, são os pessegueiros os reis.