Depois da promoção, o título europeu para Portugal

Selecção nacional de basquetebol conquista título europeu sub-20 na Divisão B com triunfo na final em Matosinhos sobre a República Checa.

Fotogaleria
A festa do título em Matosinhos DR
Rui Palhares foi um dos destaques da equipa portuguesa
Fotogaleria
Rui Palhares foi um dos destaques da equipa portuguesa DR
Fotogaleria
André Martins, o seleccionador português DR
Fotogaleria
Rafael Lisboa, o MVP DR
Fotogaleria
DR
Basquetebol
Fotogaleria
Queta a festejar de muletas DR
Fotogaleria
O "cinco" ideal do Euro, com Lisboa e Queta entre os eleitos DR
Fotogaleria
DR

É um momento histórico para o basquetebol português. A selecção nacional conquistou neste domingo o título europeu de sub-20 Divisão B, ao derrotar na final, em Matosinhos, a República Checa por 73-57. Depois de ter garantido a subida à Divisão A com um triunfo sobre a Rússia, os jovens portugueses quebraram mais uma barreira e garantiram um inédito título continental, mesmo sem poder contar com a maior “estrela” da equipa, Neemias Queta, que se tinha lesionado no dia anterior.

Mesmo sem os ressaltos e os pontos de Queta (um poste de 2,11m que está no radar da NBA), a selecção orientada por André Martins teve duas armas fundamentais: o ruidoso e entusiasta público que, mais uma vez, preencheu na totalidade as bancadas do Multiusos de Matosinhos; a capacidade da equipa em garantir colectivamente aquilo que Neemias não estava lá para dar. E foi assim que Portugal atravessou o jogo, a defender de forma muito aguerrida no perímetro e a evitar que os checos levassem o jogo para as zonas interiores. Isto ao mesmo tempo que tentava os lançamentos longos e as penetrações para o cesto.

Portugal até entrou bem no jogo, mas a falta de acerto nos lançamentos longos permitiu aos checos chegar ao final do primeiro período em vantagem (14-18). Foi a única altura da final em que a selecção portuguesa perdeu o controlo. No segundo período, conseguiu recuperar (20-14), chegando ao intervalo com dois pontos de vantagem.

Mas o que fez verdadeiramente a diferença foi o terceiro período, em que as bolas longas começaram a entrar com maior frequência e a defesa continuou a funcionar na perfeição. Os jovens portugueses marcaram quase o triplo dos pontos (27-11) e foram mais confortáveis para os últimos dez minutos, onde ainda sofreram uma aproximação checa, mas nunca abaixo dos dois dígitos.

Com Queta a torcer por fora de muletas e o joelho enfaixado, a selecção portuguesa teve um trio a brilhar a grande altura. O base Rafael Lisboa, filho de Carlos Lisboa, foi o melhor marcador da final, com 21 pontos (mais sete ressaltos e seis assistências), bem secundado por Francisco Amarante (18 pontos e 12 ressaltos) e Rui Palhares (18 pontos) - Amarante, extremo do FC Porto, foi considerado o MVP da final. Lisboa, jovem base do Benfica, foi eleito o jogador mais valioso do Europeu, para além de ter sido escolhido para o cinco ideal do torneio, onde também marcou presença Neemias Queta.

Esta foi, de longe, a melhor participação de sempre da selecção portuguesa no Euro sub-20. Em 14 presenças anteriores (desde 2005), o melhor que Portugal conseguiu foram dois quintos lugares em 2011 e 2013. Em 2020, Portugal vai competir pela primeira vez na Divisão A do Euro sub-20, que se vai disputar na Lituânia, ao lado das principais potências do basquetebol, tal como os checos e a Bélgica, que ficou em terceiro lugar depois de derrotar a Rússia (88-80). Na Divisão A, o título também foi para a equipa da casa, com Israel a ganhar em Telavive à Espanha na final por 92-84.

Notícia corrigida: Francisco Amarante foi considerado o MVP da final, Rafael Lisboa recebeu o prémio de MVP do Europeu