Simon Yates vence ao sprint, Alaphilippe segue líder no Tour

Rui Costa chegou a andar em fuga mas acabou no oitavo lugar da tirada.

Simon Yates
Foto
Simon Yates Reuters/CHRISTIAN HARTMANN

Por fim chegaram os Pirenéus. Mais de uma semana depois do início da Volta a França em bicicleta, o pelotão do Tour sentiu nesta quinta-feira pela primeira vez nas pernas as dificuldades que as subidas daquela cordilheira montanhosa sempre causam. O terreno é propício a ataques, palco privilegiado para embates na maior parte das vezes memoráveis entre os favoritos a chegarem a Paris com a camisola amarela vestida. Mas, nesta quinta-feira, nada disso se viu. Final ao sprint, ganho por Simon Yates (Mitchelton-Scott) o mais forte de um trio de fugitivos que se afastou de um grupo que deixou o pelotão composto pelos primeiros da classificação geral para trás, a mais de nove minutos, com todos a guardar forças: uns para o contra-relógio desta sexta-feira, outros para as etapas de montanha que se seguirão nos dias seguintes.

A história do que aconteceu na tirada desta quinta-feira conta-se a partir da numerosa fuga formada por um grupo com cerca de 40 corredores, incluindo o português Rui Costa (UAE Emirates).

Tal como era previsível, foi nas subidas ao Peyresourde e Horquette d’Ancizan (contagens de montanha de primeira categoria) que o desfecho da etapa se desenhou, com vários ataques e recuperações entre os homens da frente.

Simon Yates, Gregor Muhlberger (BORA-hansgrohe) e Pello Lopez de Armentia (Astana) conseguiram distanciar-se um pouco dos restantes nos derradeiros quilómetros e decidiram entre si, ao sprint, o triunfo na etapa, com o britânico a poder vangloriar-se a partir de agora de ter ganho etapas nas três grandes Voltas (antes da de ontem no Tour tinha uma na Vuelta de 2016 e três no Giro de 2018).

Sem qualquer mudança no lote de favoritos, o dia ficou marcado pelo abandono de Rohan Dennis (Bahrain-Merida). O campeão do mundo de contra-relógio desistiu quando faltavam 80km para a meta e na véspera do contra-relógio individual desta sexta-feira, o único no percurso do Tour deste ano e para o qual era um dos principais candidatos ao triunfo.

O ciclista australiano parou na zona de abastecimento e não voltou a montar na bicicleta. Gorazd Stangelj, director desportivo da equipa Bahrain-Merida, não tinha explicações para o sucedido, tendo apenas garantido que a desistência de  Rohan Dennis não estava relacionada com qualquer questão física. “Vimos o Dennis na beira da estrada. Não queria falar. Pensámos que ele iria regressar à corrida, mas quando nos apercebemos que ele não ia continuar foi um choque para nós todos”, limitou-se a comentar Stangelj.

Nesta sexta-feira, o pelotão vai disputar um contra-relógio individual de 27,2km  com início e fim em Pau.