Venda de casas está a recuar e preços estão a desacelerar

No primeiro trimestre de 2019, o Índice de Preços de Habitação aumentou 9,2% em temos homólogos, o que configura uma descida de 0,1 pontos percentuais face ao trimestre anterior. O número de casas vendidas teve contudo uma quebra de 5,6% face ao final de 2018

Foto
Adriano Miranda

O preço de venda das casas continua a aumentar em termos homólogos mas face ao trimestre anterior nota-se que o preço vai aumentando cada vez menos e verifica-se também, que há menos casas a ser transaccionadas. O Instituto Nacional de Estatística acaba de divulgar o Índice de Preços da Habitação (IPHab) referente ao primeiro trimestre de 2019 com um aumento de 9,2% em termos homólogos, menos 0,1 pontos percentuais que no trimestre anterior.

De acordo com os dados divulgados pelo INE, é o segmento das casas novas que mais está a contribuir para a travagem na subida de preços, já que o índice cresceu 6%, quando no trimestre anterior tinha aumentado 8,5%.

Já o mercado de habitações existentes continua a acelerar, com o aumento de preços a ser de 10%, quando no último trimestre de 2018 a subida tinha sido de 9,5%. O facto de ser neste segmento que se faz o maior volume de transacções também ajuda a perceber este índice. Nos primeiros três meses do ano foram vendidas 37.436 unidades existentes e 6.390 alojamentos novos, mais 7,5% e 8,4%, respectivamente, face aos primeiros três meses de 2018.

Numa análise ao comportamento global deste mercado, e observando o número e o valor das vendas de alojamento, percebe-se que foram transaccionadas 43.826 habitações entre Janeiro e Março deste ano - o que representa um aumento de 7,6% face ao mesmo período de 2018. Porém, nota o INE, em termos de variações homólogas, “este foi o terceiro trimestre consecutivo em que se observou uma desaceleração no número de vendas de habitações, sendo aquele que registou a mais baixa taxa de variação homóloga dos últimos quatro anos”, lê-se nos textos de análise do INE.

Assim, se em vez de olharmos para as variações homólogas pensarmos nas variações trimestrais, em cadeia, verificamos que este é já o terceiro trimestre consecutivo em que se observa uma desaceleração no número de vendas de habitações. E é o primeiro em que se registou uma quebra face ao trimestre anterior, em cadeia: face às 46.421 habitações transaccionadas no último trimestre de 2018 houve uma queda de 5,6% nos primeiros três meses de 2019 (para as já referidas 43.826 habitações). O INE acrescenta que, “por categoria, os alojamentos novos foram aqueles onde se registou uma redução mais intensa do número de transacções, de menos 7,4%, tendo os alojamentos existentes registado uma taxa de variação de menos 5,3%”. 

Em termos de valor, o volume de transacções no primeiro trimestre de 2019 totalizou aproximadamente 6,1 mil milhões de euros, o que traduz um aumento de 12,9% face a idêntico período de 2018, e uma redução de 0,9% face ao quarto trimestre de 2018. A predominância do segmento de casas existentes é também uma realidade verificável pelo volume de transacções, já que do valor total transaccionado, 5 mil milhões corresponderam a vendas de alojamentos existentes e 1,1 mil milhões a vendas de alojamentos novos, o que representa aumentos homólogos de 12,3% e 15,1%, respectivamente.

Lisboa com 35% do mercado

A área metropolitana de Lisboa continua a ser a região onde se verificam mais transacções, tendo no primeiro trimestre de 2019 sido responsável por uma quota de mais de 35% das casas vendidas. De acordo com o INE, foram transaccionadas 15.506 habitações, mas o valor das vendas fixou-se nos 2,9 mil milhões de euros, o que significa uma quota de 47,5% do valor transaccionado. Na região Norte – que agrega a área metropolitana do Porto a todo o norte do país -, o número de casas vendidas não foi muito menor (12.428 alojamentos), mas o valor transaccionado caiu quase para a metade, com 1,4 mil milhões de euros.

De acordo com o INE, e em termos homólogos, estas duas regiões apresentaram uma redução nas respectivas quotas relativas regionais, de -0.9 pontos percentuais (p.p.) no caso da região Norte e de -0,4 p.p. na Área Metropolitana de Lisboa.

Com um total de 3724 transacções, o Algarve foi a outra região a registar uma descida no seu peso relativo regional (-1,1 p.p.). Inversamente, subiram a região Centro (1,6 p.p.), o Alentejo (0,5 p.p.), a região Autónoma dos Açores (0,2 p.p.) e a região Autónoma ​da Madeira (0,1 p.p.)

PÚBLICO -
Aumentar