Portugal esteve perto do pódio em Minsk, mas mantém-se com seis medalhas

Os Jogos Europeus decorrem até ao dia 30 de Junho na capital da Bielorrússia.

Diogo Ganchinho e Diogo Abreu
Foto
Diogo Ganchinho e Diogo Abreu Reuters/VASILY FEDOSENKO

Portugal tinha nesta segunda-feira legítimas esperanças a aumentar o número de medalhas nos II Jogos Europeus, que se disputam em Minsk, contudo manteve as seis que transportou da véspera, porque ficou à beira do pódio no judo e nos trampolins sincronizados.

No judo, para o qual este evento representa campeonatos europeus, Rochele Nunes chegou às meias-finais na categoria de +78kg, mas perdeu no ponto de ouro e foi remetida para o combate pelo bronze, no qual também foi derrotada, terminando em quinto lugar.

No combate decisivo, a atleta nascida no Brasil e naturalizada em Janeiro teve o seu pior desempenho, pois acumulou três castigos que ditaram a sua eliminação, ante a russa Kseniia Chibisova.

Patrícia Sampaio, Yahima Ramirez, Tiago Rodrigues e Jorge Fonseca já tinham sido eliminados de manhã, pelo que o judo português terminou a competição individual com a medalha de bronze conquistada no sábado, em -57kg, por Telma Monteiro, que fez o pleno de 13 pódios em 13 participações.

Os ginastas Diogo Abreu e Diogo Ganchinho também eram forte possibilidade de pódio luso, contudo acabaram em quarto na final directa de trampolins sincronizados.

A dupla cumpriu a rotina única da final em 50,720 pontos, a 70 centésimos da França, medalha de bronze, com 50,790: o ouro da Polónia foi conseguido com 51,450 pontos e a prata da Ucrânia com 51,350.

No ténis de mesa, Marcos Freitas, quarto do ranking europeu, perdeu por concludente 4-0 com o alemão Timo Boll, segundo da hierarquia, pelos parciais de 11-7, 13-11, 11-8 e 11-7, um dia após o afastamento de Tiago Apolónia, o que deixa Portugal sem representantes em singulares masculinos.

Freitas e Apolónia juntar-se-ão a João Monteiro na defesa do título por equipas alcançado em Baku 2015.

No quadro feminino, Fu Yu, oitava do ranking europeu, impôs-se à ucraniana Hanna Haponova, 24.ª, por 4-1, com os parciais de 11-3, 11-5, 11-7, 9-11 e 11-7, seguindo assim para os quartos-de-final.

Jieni Shao, 33.ª da classificação, foi menos feliz, pois após dar forte réplica à sétima da Europa, a holandesa Li Jie, também de origem chinesa, liderando por 2-0 e 3-2, perdeu por 4-3 (11-9, 11-9, 6-11, 10-12, 15-13, 5-11 e 7-11).

No badminton, Sónia Gonçalves, 156.ª da classificação internacional, começou o grupo H com triunfo por 2-0 sobre a eslovena Lia Salehar, 238.ª, com os parciais de 21-5 e 21-13.

Bernardo Atilano, 141.º, foi menos feliz ante o holandês Mark Caljouw, 35.º, cedendo por 21-8 e 21-19, no arranque do grupo C.

O modesto desempenho na prova individual foi esquecido e João Paulo Azevedo e Ana Rita Rodrigues acabaram em 10.º os pares mistos no tiro com armas de caça, em competição com 23 duplas.

Os ginastas João Salvado e Sara Silva foram oitavos e últimos na final directa de ginástica aeróbica.

Portugal, que em Baku 2015 obteve 10 pódios, continua assim com seis medalhas: o ouro de Carlos Nascimento nos 100 metros, a prata das ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia em combinado e no exercício dinâmico, além do bronze na prova de equilíbrio.

Conquistaram igualmente a medalha de bronze a judoca Telma Monteiro e a estafeta mista 4x400 metros, de Ricardo dos Santos, Cátia Azevedo, João Coelho e Rivinilda Mentai.