Rui Gaudêncio
Foto
Rui Gaudêncio

Mais de 25 mil euros angariados para ajudar o português acusado de auxílio à imigração ilegal

Tinha como missão resgatar refugiados, mas em 2018 Miguel Duarte foi acusado de auxílio à imigração ilegal. Agora, foi lançada uma campanha de angariação de fundos para ajudar a pagar todas as despesas legais. O objectivo inicial de cinco mil euros já foi largamente ultrapassado.

Miguel Duarte juntou-se, em 2016, à Jugend Rettet, uma organização alemã que, juntamente com outras organizações não-governamentais, foi responsável pelo resgate de 14 mil pessoas que embarcavam na Líbia com destino à Europa. Em 2017, o Ministério Público italiano arrestou o navio Iuventa, onde Miguel fazia as missões e, um ano depois, como o PÚBLICO noticiava, o activista foi notificado, juntamente com outros nove membros da tripulação, de que tinham sido constituídos arguidos e estavam sob investigação por auxílio à imigração ilegal. 

Neste momento, estão “à espera que saia uma acusação formal” para “comparecer em tribunal”, explica o jovem, ao telefone com o P3. O processo não vai ser fácil, nem barato — por isso, o colectivo Humans Before Borders começou, a 7 de Junho, uma campanha de angariação de fundos. A meta inicial do crowdfunding era alcançar cinco mil euros: um valor “realista”, mas que não seria suficiente para cobrir as despesas dos dez activistas, estimadas em 500 mil euros.

Este orçamento inclui “o pagamento de todos os custos relacionados com o processo legal”. “Em primeira análise, vai ser para pagar aos advogados que já temos em Itália e que alguns de nós têm nos próprios países. Mas também para as viagens que temos de fazer — para Itália e para nos encontrarmos uns com os outros [dividem-se entre Alemanha, Escócia, Espanha e Portugal] — e que os advogados têm de fazer”, refere Miguel Duarte.

Para surpresa de Miguel, o objectivo inicial já foi ultrapassado em quase cinco vezes: até às 17h20 de 17 de Junho tinham sido angariados cerca de 26 mil euros. “Vêm-me as lágrimas aos olhos ao ver quantas pessoas estão atentas e querem contribuir de alguma forma”, conta o jovem. “Às vezes passamos momentos um bocado difíceis porque nos sentimos sozinhos nesta luta — também recebemos muitos comentários e mensagens de reprovação. Mas a verdade é que há muita gente a manifestar o seu apoio e a manifestar vontade de nos ajudar nesta luta”, continua. A angariação de fundos vai continuar aberta até 12 de Julho.

“Neste momento, a nossa ida a tribunal é bastante provável, de acordo com os nossos advogados”, aponta. “Mas estou confiante que não vamos acabar condenados e que as autoridades italianas vão perceber que esta investigação é perfeitamente política.”