Altas temperaturas causam degelo recorde na Gronelândia

Nas últimas décadas, a ilha árctica nunca tinha perdido tanto gelo em Junho. Efeito na subida do nível médio do mar pode comportar consequências globais.

Foto
Uma equipa de cientistas dinamarqueses transportados em trenós puxados por cães foi surpreendida pelo rápido degelo numa planície gronelandesa. A imagem foi cedida ao PÚBLICO pelo autor Steffen Olsen

O manto de gelo que cobre a Gronelândia está a derreter a uma velocidade inédita devido às elevadas temperaturas das últimas semanas. Registos obtidos no local mostram que Junho de 2019 registou o degelo mais rápido na região desde que os dados começaram a ser medidos, em 1981. Em média, as temperaturas na maior ilha do Árctico têm estado quatro graus centígrados acima do que seria expectável para o início do mês de Junho.

Em declarações ao Washington Post, Jason Box, do Serviço Geológico da Dinamarca e Gronelândia, mostrou preocupação perante estes números, classificando o derretimento nos primeiros dias de Junho como “grande e prematuro”. O especialista explicou que as altas temperaturas sobre a zona ocidental do manto de gelo da Gronelândia se aliaram aos baixos níveis de neve caída durante o Inverno.

Vários investigadores e especialistas expressam preocupação — mas não surpresa —​ perante o rápido degelo. Marco Tedesco, investigador de gelo, afirma que a subida de temperaturas não é exclusiva a apenas uma área do manto de gelo, afectando também outras regiões da ilha, o que tem contribuído para o derretimento generalizado da calota gronelandesa: “[Esta combinação] desencadeou um derretimento geral que atingiu cerca de 45% do manto de gelo”, acrescentou.

Também Zachary Labe, investigador climático da Universidade da Califórnia, em declarações ao Washington Post, expresou preocupação perante os números: “[É] outra série de eventos extremos consistentes com a longa tendência de um Árctico em aquecimento, em mudança”. O Árctico está a aquecer ao dobro da velocidade do resto do planeta. 

As temperaturas registadas ao longo dos próximos meses irão determinar se o degelo para já registado irá intensificar-se e, porventura, atingir novos recordes. No Twitter, Xavier Fettweis, climatologista na Universidade de Liège, na Bélgica, afirma que se a pressão atmosférica alta se mantiver sobre a região, 2019 poderá ser o ano em que a Gronelândia perdeu mais gelo.

Consequências podem ser globais

O degelo na Gronelândia é um dos principais factores a contribuir para a tendência de subida do nível do mar. “O que acontece no Árctico não fica no Árctico”, escreve o jornal norte-americano, citando um adágio dos climatologistas, inspirado no popular ditado sobre Las Vegas.

Na década de 1990, o degelo na Antárctida e na Gronelândia fazia subir o nível do mar a um ritmo médio de 0,27 milímetros por ano. Na última década, o passo acelerou para 0,95 milímetros por ano. Em média, e em todo o período 1992-2011, o ritmo de subida directamente atribuída ao degelo na Antárctida e na Gronelândia foi de 0,59 milímetros por ano, o que representa quase 20% da subida total do nível do mar neste período. 

“O Árctico é um regulador climático do hemisfério Norte. O gelo que está a derreter agora não significa obrigatoriamente que amanhã teremos uma tempestade, mas, a longo prazo, existirão efeitos profundos que obrigarão a tomar acções, quer se goste quer não”, afirma Rick Thoman, da Universidade do Alasca, citado pelo site de notícias Axios.