2016 foi o ano mais quente desde que há registos

Dados de três agências internacionais mostram que o planeta bateu recorde de temperatura pelo terceiro ano consecutivo.

Foto
Reuters/STEPHANE MAHE

O ano de 2016 foi o ano mais quente desde que há registos, mostram os dados revelados nesta quarta-feira pelo Met Office do Reino Unido, a agência espacial norte-americana (NASA) e a agência governamental dos Estados Unidos para a atmosfera e os oceanos (NOAA, na sigla em inglês). Os números mostram que a temperatura média global do ar à superfície em terra e no mar é a mais elevada desde 1880, ano dos primeiros registos, diz o documento disponível no site da NOAA.

"Durante o ano de 2016, a temperatura média à superfície da terra e dos oceanos foi 0,94º C acima da média do século XX", lê-se no resumo do relatório. "É o valor mais elevado desde 1880, ultrapassando o recorde anterior", que havia sido fixado em 2015. Aliás, o documento sublinha que "desde o início do século XXI, o recorde da temperatura anual global foi batido cinco vezes (2005, 2010, 2014, 2015 e agora 2016)".

O relatório confirma que "o efeito da actividade humana sobre o clima já não é subtil", afirma Michael Mann, cientista da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, em declarações citadas pelo jornal britânico The Guardian

"Muito do calor recorde sentido no globo pode ser atribuído à subida das temperaturas nos oceanos", diz o documento, elencando os efeitos do El Niño, sobretudo nos primeiros meses de 2016, no Oceano Pacífico. De 2016, destacam-se os meses de Janeiro a Abril, Junho, Julho e Agosto, todos eles a ficarem entre os 12 meses mais quentes dos 137 anos constantes nos registos.

Por regiões, em relação à Europa o relatório afirma que 2016 foi o terceiro ano mais quente, abaixo dos valores de 2014 e 2015, por esta ordem. O Inverno mais quente de sempre, em 2015-2016, contribuiu para este registo europeu.

"Não temos a expectativa de que o planeta bata recordes todos os anos, mas a tendência de longo prazo é clara", reagiu o director do Instituto Goddard de Estudos Espaciais, que faz parte da NASA, em declarações citadas pela Reuters. 

O relatório elenca ainda o contributo ou influência de alguns eventos e desastres, como os incêndios florestais de Alberta (Canadá).

No histórico Acordo de Paris, de Dezembro de 2015, quando 200 países se puseram de acordo – incluindo os EUA – sobre metas ambientais, aponta-se para um objectivo de limitar o aquecimento global a menos de 2ºC acima da temperatura média dos tempos pré-industriais. A variação registada em 2016 é de mais 1,1ºC, muito próximo do tecto de 1,5ºC, que é a derradeira meta do acordo de Paris que Donald Trump, Presidente eleito dos EUA, ameaçou "matar", depois de a Administração Obama o ter apoiado.