Arrancaram as demolições na Quinta da Lage

Seis habitações foram demolidas na Quinta da Lage, tendo sido desalojados agregados familiares. Em comunicado, a Câmara Municipal da Amadora garante que todos têm apoio autárquico e são abrangidos pelos programas habitacionais.

Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Carro
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
furgão
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Veículo utilitário esportivo
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

As demolições na Quinta da Lage por parte da Câmara Municipal da Amadora avançaram esta terça-feira e já foram abaixo seis casas. Em comunicado, segundo a agência Lusa, a autarquia esclarece que cinco das construções que foram demolidas são de agregados familiares que manifestaram junto da câmara o desejo de sair do bairro de autoconstrução.

A associação de moradores do bairro, no entanto, acusa a Câmara de levar a cabo os despejos “sem nenhuma alternativa”. Andreia Cardoso, vice-presidente da associação, explica ao PÚBLICO que não houve qualquer aviso prévio que permitisse a estes moradores prepararem-se para os despejos e que, como tal, a maioria dos despejos não foi solicitada pelos moradores. É, para além disso, criticada a falta de apoio social para os afectados – muitos deles têm crianças pequenas e/ou doenças crónicas.

Uma das moradoras, segundo Andreia Cardoso, tem uma filha de três meses e foi despejada sem garantia de alternativa habitacional. O mesmo se verificou com a maioria das outras situações de despejo e demolição que se verificaram nesta terça-feira, segundo a mesma fonte. 

No que às demolições diz respeito, é também apontado o dedo à desactualização do Programa Especial de Alojamento (PER), implementado em Portugal em 1993 e que abrange actualmente cerca de 35 bairros. Na Quinta da Lage são 193 as famílias abrangidas pelo programa, que aguardam realojamento desde a sua criação. Segundo Heitor de Sousa, um dos deputados pelo Bloco de Esquerda à Assembleia da República que visitou a Quinta da Lage esta terça-feira, o PER não conta com novos agregados familiares e habitações desde 2003.

O bloquista afirma, nesse sentido, que a autarquia é incapaz de responder às necessidades das famílias que vivem na Quinta da Lage porque os programas existentes não lhe permitem reconhecer a realidade actual. “Entre 2003 e 2019 a realidade das famílias mudou muito”, acrescenta.

O deputado apontou também que as demolições têm lugar num dia “simbólico”, em que se discute no parlamento a lei das Bases da Habitação, e que as demolições surgem também depois de ter sido aprovado na assembleia da república um projecto de resolução que suspendia os despejos.

Heitor de Sousa acusa a câmara de “falta de sensibilidade” pela ausência de alternativas apresentadas às famílias. No comunicado da câmara, no entanto, esta afirma que todas as famílias estão a ser suportadas pelo programa Apoio ao Auto Realojamento (PAAR QL), um dos programas de habitação promovidos pela autarquia.

O PAAR QL dirige-se a famílias residentes no bairro que busquem alternativas habitacionais, com financiamento da autarquia em 60% do valor do fogo de realojamento que teria de ser construído se a família optasse pelo modelo tradicional. Já o Programa Retorno, que também consta dos programas de habitação da autarquia, financia o regresso das famílias ao país de origem, ou a qualquer outro país com quem tenham ligação, em 20% do valor do fogo de realojamento.

A associação de moradores dirigiu-se à câmara depois do início das demolições na Quinta da Lage, para pedir explicações à autarquia mas não foram recebidos.

O PÚBLICO tentou contactar a Câmara mas não obteve resposta.

Texto editado por Ana Fernandes