Fundação Marques da Silva vai abrir o seu palacete à cidade

Instituto da Universidade do Porto criado a partir do património da família do arquitecto da Estação de São Bento está a renovar as suas instalações para melhor acomodar, e também mostrar ao público, os arquivos que vai acolhendo. O próximo será o do arquitecto Bartolomeu Costa Cabral.

Fotogaleria
Sala de jantar do antigo Palacete Lopes Martins Nelson Garrido
Fotogaleria
Sala de jantar do antigo Palacete Lopes Martins Nelson Garrido
Fotogaleria
Sala do Palacete Lopes Martins em obras Nelson Garrido
Fotogaleria
Sala do Palacete Lopes Martins em obras Nelson Garrido
Fotogaleria
A velha capela do Palacete Lopes Martins Nelson Garrido
Fotogaleria
Galeria de exposições da Casa-atelier Marques da Silva Nelson Garrido
Fotogaleria
Velha cozinha da Casa-atelier Marques da Silva Nelson Garrido
Fotogaleria
Pavilhão da Casa-atelier Marques da Silva Nelson Garrido
Fotogaleria
Arquivos da FIMS Nelson Garrido
Fotogaleria
Espaço administrativo na Casa-atelier Marques da Silva Nelson Garrido
Fotogaleria
Luís Urbano, vice-presidente da direcção da FIMS Nelson Garrido

2019 é um ano muito redondo na história da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS): passam 150 anos sobre o nascimento do arquitecto portuense que no início do século XX marcou o perfil da Baixa da cidade; passam 25 anos sobre a constituição do instituto que acolheu a doação à Universidade do Porto (UP) das propriedades e do acervo desta família de arquitectos – não apenas o pai, José Marques da Silva (1869-1947), mas também a filha, Maria José Marques da Silva (1909-1994), e o genro, David Moreira da Silva (1909-2002); e passam dez anos sobre a transformação do instituto numa fundação de direito privado com o objectivo de salvaguardar e divulgar não apenas o património da família como de outros nomes da arquitectura e do urbanismo em Portugal que entretanto aí decidissem depositar os seus arquivos.