As pistas que apontam para a recandidatura de Marcelo

A lista de apoios ao actual Presidente é variada e inclui gente de diversos pontos do espectro politico-partidário. Esta semana, a possibilidade de uma recandidatura voltou a entrar na agenda.

Marcelo Rebelo de Sousa na Websummit de 2018
Foto
Marcelo Rebelo de Sousa na Web Summit de 2018 Miguel Manso

Falta qualquer coisa como um ano para que o Presidente da República anuncie se volta a entrar na corrida a Belém. No entanto, Marcelo Rebelo de Sousa tem deixado várias pistas que indiciam querer manter-se no mais elevado cargo na nação. Só por uma vez fez depender a sua não recandidatura de um acontecimento: incêndios graves, como os que em 2017 mataram mais de cem pessoas.

Esta semana, ao falar sobre a “forte possibilidade de haver uma crise na direita portuguesa nos próximos anos” e ao defender que, num contexto destes, o seu papel “é importante para equilibrar os poderes”, o Presidente voltou a colocar a hipótese de uma recandidatura. Pelo menos, houve quem o entendesse assim. David Justino, vice-presidente do PSD, disse na TSF que esta questão surge no discurso presidencial “não por ser uma realidade, mas por ser um contexto favorável à candidatura”.

Caso decida avançar, o Presidente já tem alguns apoios prometidos – e são transversais. Assunção Cristas (CDS), Pedro Santana Lopes (Aliança), Jorge Coelho, João Soares, Francisco Assis (todos do PS) são alguns dos políticos que poderão dar-lhe o seu voto. Afinal, de que depende o avanço, ou não, de Marcelo?

Incêndios: sim ou não, eis a questão

Foi numa entrevista ao PÚBLICO e à Rádio Renascença, em Maio de 2018, que Marcelo Rebelo de Sousa fez, pela primeira vez, a sua recandidatura depender de uma coisa concreta: incêndios graves. “Voltasse a correr mal o que correu mal no ano passado, nos anos que vão até ao fim do meu mandato, isso seria, só por si, impeditivo de uma recandidatura”, disse o Presidente.

Antes, na mesma entrevista, Marcelo já tinha havia alertado para o facto de essa matéria ser tão importante como fundamental para “o próprio juízo que o Presidente fará sobre o seu mandato” em meados de 2020.

Ao assumir que a repetição do cenário dos incêndios de 2017 impediria nova corrida e Belém, Marcelo Rebelo de Sousa também deixou aberta a porta a outra hipótese: se não houver nenhum outro incêndio de gravidade semelhante, o Presidente pode voltar a concorrer.

Web Summit: humor anglo-saxónico

Outubro de 2018. Mais de um ano depois dos incêndios de Junho e um ano depois dos de Outubro, ambos mortais, Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se entusiasmado com a hipótese de ser Presidente durante os anos em que a Web Summit se realizasse em Portugal.

“Não dormi muito, como é habitual. E pensei: há alguma vantagem adicional para a minha vida de ter dez anos da Web Summit em Portugal? E eu disse: bom, há algo que pode tornar-se um efeito colateral, não necessariamente muito positivo, que é ter a responsabilidade de me candidatar novamente à Presidência”, assumiu durante um encontro com startups portuguesas que iam participar na edição de 2018 da grande cimeira tecnológica.

Depois deste comentário, que classificou como “humor anglo-saxónico”, o Presidente não explicou melhor o que queria dizer, muito pelo contrário. “Ironizei. Afirmei que ter a Web Summit por tantos anos tinha aspectos positivos e negativos. Logo se verá. Veremos em 2020”, disse.

Jornadas da Juventude: vontade de avançar

A partir da Cidade do Panamá, em Janeiro de 2019, Marcelo Rebelo de Sousa usou a expressão “grande vontade” para falar sobre uma possível recandidatura. Perante a pergunta dos jornalistas, que quiseram saber se o Presidente estaria em funções quando Portugal recebesse as Jornadas Mundiais da Juventude, em 2022, Marcelo repetiu o mesmo de sempre: “Eu tenho dito que a minha decisão é só em meados de 2020”.

Depois, acrescentou: “Saio daqui - e amanhã [domingo] admito que mais - com uma grande vontade de, se Deus me der saúde e se eu achar que sou a melhor hipótese para Portugal, com uma grande vontade de me recandidatar. Tenho de ter saúde e tenho de ver se não há ninguém em melhores condições para receber o Papa”. A conversa entre os jornalistas e o chefe de Estado português aconteceu depois de uma missa na basílica de Santa Maria la Antigua, presidida pelo Papa Francisco.

Saúde: a questão decisiva

Ao cumprir o terceiro ano de mandato, a partir de Angola, o Presidente voltou a responder à pergunta que mais vezes lhe foi feita durante o mandato: vai recandidatar-se em 2021? Desta vez, Marcelo Rebelo de Sousa apresentou como factores decisivos duas condições que já antes havia enunciado: o seu próprio estado de saúde e o facto de poder haver “alguém em melhores condições” para exercer o cargo.

“Primeiro ponto: a saúde. Este cargo é um cargo exigente. E se é exigente num mandato, é mais exigente em dois mandatos, e se é exigente numa idade, é mais exigente com mais alguns anos. Segundo: ter a noção de que sou a pessoa que está em melhores condições de cumprir a missão naquele momento”, explicou, garantindo: “Se não for candidato, saberei sair do palco, sem ser daquela forma que, às vezes, ocorre, que é um conjunto de festas, de celebrações, de saudade antecipada.”

Em 2016, explicou ainda, uma das razões que o motivaram a avançar foi o país estar perante um Governo minoritário e ser preciso alguém para fazer a ponte. “A ponte devia ser feita a partir da direita e não da esquerda, porque seria esquerda a mais.”

Portanto, se tiver saúde e se achar que é a pessoa mais bem posicionada para avançar em 2021, Marcelo acabará por apresentar a sua recandidatura.

Crise na direita: o factor de equilíbrio

E se em 2016, era preciso uma ponte para fazer e ligação entre a esquerda e a direita, em 2021 não será também? Esta semana, ao mostrar-se preocupado com a possível crise na direita, o Presidente deu a entender que o equilíbrio de forças após as eleições legislativas pode influenciar o seu papel como Presidente da República e a sua decisão sobre uma recandidatura. “É muito importante haver um equilíbrio nos dois hemisférios da vida política portuguesa, para não haver um desequilíbrio muito para um lado, relativamente a outro”, comentou o Presidente.

Marcelo contou aos jornalistas que a seguir à sua intervenção na FLAD, numa sessão de perguntas e respostas fechada à comunicação social, houve quem lhe perguntasse se tencionava recandidatar-se ou não. “E eu tive de explicar que é uma questão que só decidirei para o ano e que, no fundo, tem muito a ver com o papel do Presidente no quadro do equilíbrio de poderes que existe e que existirá nos futuros anos”, relatou.

Independentemente das pistas que foi deixando, Marcelo Rebelo de Sousa nunca esclareceu totalmente a questão do seu futuro político. Mas houve uma coisa que nunca mudou no seu discurso: “Quando me candidatei, fi-lo por sentir um dever de consciência. Olhando para o que era o país, incluindo o país político, e o resultado que tinha saído das eleições [legislativas], achei que era o mais bem colocado. A minha posição é a mesma. Se no Verão de 2020 entender que tenho o dever de consciência de continuar, eu continuo e recandidato-me”.