Unsplash
Foto
Unsplash

Aumenta o número de tigres de Bengala no Bangladesh

Um recenseamento revelou que o número de tigres de Bengala atingiu os 114 indivíduos, número superior ao de 2015, que era de 106 animais.

O número de tigres num santuário de vida selvagem em Sundarbans, no Bangladesh, aumentou pela primeira vez em 15 anos, após uma campanha contra a caça na maior floresta de mangue do mundo, anunciaram esta quarta-feira as autoridades.

Um recenseamento realizado pelo Ministério das Florestas revelou que o número de tigres de Bengala atingiu os 114 indivíduos, número superior ao de 2015, que era de 106 animais. O aumento de 8% “é um grande sucesso”, disse o ministro das Florestas Shabab Uddin. Os dados revelam que os nossos “actuais programas e estratégias de conservação são eficazes”, disse Shafiul Alam, oficial de conservação florestal, à imprensa.

O censo foi realizado através de câmaras de vigilância numa área de 1656 quilómetros quadrados de florestas. A pesquisa de 2015, que registou 106 tigres, menos de um quarto dos 440 que habitavam na mesma área em 2004, causou um alerta.

Isto fez com que o governo de Daca tomasse as medidas necessárias, incluindo a duplicação da área protegida para garantir a sobrevivência dos tigres pelo encolhimento do habitat e uma campanha das forças de elite contra os caçadores furtivos. A área protegida era limitada a 23% da floresta, com os moradores e turistas a terem acesso ao restante espaço, dividido entre os territórios da Índia e do Bangladesh.

Cerca de 200 contrabandistas entregaram as suas armas à polícia em troca de dinheiro, assistência jurídica e telemóveis, embora dezenas tenham sido mortos. Em Agosto de 2015, a polícia matou seis caçadores furtivos e descobriu peles de três tigres de Bengala adultos. “A caça ilegal é uma das principais razões para o declínio da população de tigres”, disse Alam.