Morreu Niki Lauda, lenda da Fórmula 1

Três vezes campeão em Fórmula 1 e sobrevivente a um grave acidente em 1976, o piloto austríaco que também se destacou na aviação morreu esta segunda-feira.

Fotogaleria
Niki Lauda e Clay Regazzoni (à esquerda) EPA

Niki Lauda, antigo tricampeão de Fórmula 1, morreu na noite de segunda-feira aos 70 anos, informou a família do piloto à comunicação social austríaca. 

“Com imensa tristeza, anunciamos que o nosso querido Niki morreu em paz, rodeado pela sua família, esta segunda-feira”, lê-se num comunicado. A lenda do desporto automóvel tinha sido submetida a um transplante pulmonar em 2018 e enfrentava sérios problemas de saúde

Lauda sagrou-se campeão de Fórmula 1 pela primeira vez em 1975, com cinco vitórias e mais três pódios. Sobreviveu a um grave acidente com o seu Ferrari no Grande Prémio da Alemanha de 1976, tendo sofrido extensas queimaduras que o deixaram desfigurado e que o obrigaram a múltiplas cirurgias. Passou a usar um boné para ocultar as cicatrizes na cabeça, e o acessório tornar-se-ia parte da sua imagem de marca. Apesar da seriedade das sequelas, regressou rapidamente às pistas e perdeu o título mundial desse mesmo ano apenas no último grande prémio, no Japão, para o britânico James Hunt, numa corrida marcada pela chuva e pelo nevoeiro. Contudo, o seu segundo título chegou em 1977, ano em que venceu três grandes prémios e fez sete pódios.

Nos anos de 1980 e 1981, Lauda retirou-se da competição para se dedicar aos negócios. Regressou à Formula 1 em 1982, ainda a tempo de conquistar um terceiro título mundial em 1984, desta vez pela McLaren, tornando-se no único piloto a ser campeão do mundo pela Ferrari e pela McLaren. O terceiro título foi disputado até à última prova do campeonato do mundo com o colega de equipa Alain Prost, mas um segundo lugar no Grande Prémio de Portugal, realizado no autódromo do Estoril, chegou para Niki Lauda levar o título mundial por meio ponto de vantagem sobre Prost.

No currículo, Niki Lauda ficou com 25 vitórias, 52 pódios e 24 pole positions nos 177 grandes prémios que disputou.

Era desde 2012 director não executivo da equipa da Mercedes. Antes disso, liderou a Jaguar, entre 2001 e 2003, e foi consultor da Ferrari.

Fora das pistas, destacou-se na aviação. Fundou as companhias aéreas Lauda Air e Niki, entretanto extintas, e manteve até 2018 uma participação na Lauda, uma subsidiária austríaca da Ryanair.

Nascido em Viena a 22 de Fevereiro de 1949, no seio de uma família abastada, Lauda contrariou a vontade dos pais e dedicou-se cedo ao automobilismo, chegando à Fórmula 1 em 1971. Casado duas vezes, foi pai de cinco filhos, incluindo Mathias Lauda, piloto da Aston Martin no Campeonato Mundial de Resistência. 

A sua vida, e sobretudo a sua rivalidade histórica com o piloto britânico James Hunt, foram retratadas no filme Rush - Duelo de Rivais (2013) de Ron Howard. Lauda foi interpretado por Daniel Brühl, enquanto Chris Hemsworth vestiu o papel de James Hunt.