Crítica

A última vez que ela viu Macau

Uma actriz excelente e um olhar fascinado por Macau são sedutores, mas não redimem o novo filme de Ivo Ferreira de ser um falhanço honroso.

Ivo Ferreira: a atmosfera, mais do que a narrativa
Fotogaleria
Ivo Ferreira: a atmosfera, mais do que a narrativa eduardo martins
Fotogaleria
eduardo martins

Macau tem sido ponto regular de inspiração para Ivo Ferreira, que viveu vários anos na antiga colónia portuguesa e aí dirigiu algumas curtas e um documentário de boa memória (Vai com o Vento). Mas o território parece não ter inspirado do mesmo modo a quarta ficção longa do cineasta, após Em Volta (2002), Águas Mil (2009) e Cartas da Guerra (2016). Ou antes: inspirou-o seguramente em termos de cenário e ambiente, a meio caminho entre a urgência urbana das personagens deslocadas de um Wong Kar-wai e uma atmosfera de falso thriller pelo meio de um local em mudança constante que faz pensar em Jia Zhang-ke. Jia vem também ao de cima no modo como Ferreira filma a sua personagem feminina central: Margarida Vila-Nova, “sobrevivente” resignada de um outro tempo, que mantém vivo o hotel familiar com o dinheiro que ganha como call girl em clubes nocturnos.