Emmanuel Macron quer reconstruir-se com a Notre-Dame

O Presidente francês está a tentar transformar este momento de tragédia nacional numa vantagem para si. E o natural consenso em torno do projecto da recuperação, como aponta um psicólogo ouvido pelo PÚBLICO, pode de facto ser-lhe útil.

,Cathédrale Notre-Dame de Paris
Foto
YOAN VALAT/EPA

No rescaldo do incêndio de segunda-feira, não param as medidas anunciadas pelo Governo de Emmanuel Macron, com a reconstrução da Catedral de Notre-Dame a ser apresentada como um projecto nacional capaz de unir uma França dividida por meses de protestos nas ruas. Foi lançado um concurso internacional de arquitectura para decidir o que vai surgir no lugar da flecha destruída. Foi nomeado um “Monsieur Reconstruction”, um general que já foi chefe do exército francês, para ficar à frente da missão. E embora esteja ainda em preparação já foi anunciado um projecto-lei Notre-Dame, com o objectivo de enquadrar legalmente as doações e respectivas isenções fiscais que esta quarta-feira já tinham atingido os 900 milhões de euros e que abriram uma polémica em França.