CDS aprova listas de deputados por maioria mas com críticas

Grupo de Lobo d’Ávila faltou ao conselho nacional, tendência interna votou contra

Assunção Cristas
Foto
Este sábado de manhã, Assunção Cristas apresentou os nomes que escolheu para as legislativas LUSA/Tiago Petinga

Dentro e fora do conselho nacional do CDS ouviram-se críticas à forma como Assunção Cristas escolheu os nomes para a parte da lista de deputados definida pela direcção nacional, mas também aos próprios nomes. As primeiras listas que a líder do CDS fez conseguiram uma votação favorável de mais de 80% no conselho nacional, onde não esteve o grupo conotado com a oposição a Cristas de Raul Almeida e de Filipe Lobo d’Ávila.

Entre as novidades estão três independentes, os três ex-jornalistas, e dois dos quais já trabalhavam com a líder do CDS: Sebastião Bugalho (sexto lugar em Lisboa), Raquel Abecasis (número um em Leiria) e Rui Lopes da Silva (cabeça de lista por Coimbra). Os dois últimos são chefes de gabinete de Assunção Cristas na câmara municipal e no partido, respectivamente.

Uma das vozes mais críticas na reunião desta sexta-feira, segundo relatos feitos ao PÚBLICO, foi a de Francisco Mota, da Juventude Popular, que disse abdicar de ser candidato por Braga depois de saber que o cabeça de lista era Telmo Correia, deputado que já foi eleito pelo distrito em 2015 mas que é natural de Lisboa. A indicação de candidatos oriundos da capital para todo o país foi, aliás, a crítica que o líder da concelhia de Braga exprimiu na rede social Facebook, à mesma hora em que decorria a reunião na sede nacional do partido. “O amiguismo continua a prevalecer no CDS. Lisboa continua a ‘enxamear’ o resto do País, vão desde Viana do Castelo até Faro, passando por Braga, Porto e por quase todos os distritos. Os tiques do ‘Portismo’ continuam vivos”, escreveu o vereador de Braga, assumindo que estava indisponível para ser candidato ao Parlamento em Outubro.

No mesmo sentido foi a opinião de Raul Almeida, porta-voz da lista alternativa à de Cristas no conselho nacional, ao considerar que os candidatos “são os mesmos de sempre e a distribuição descarada de lisboetas por todo o país”. “Com este passo autoritário e unilateral, Cristas assume a total responsabilidade pelos próximos resultados eleitorais. Consigo ficarão os que pactuam calando, para o bem e para o mal”, escreveu também no Facebook. Este grupo de conselheiros faltou à reunião por ter discordado da definição da quota nacional no anterior conselho nacional, em Janeiro passado.

O nome de Sebastião Bugalho foi contestado por um conselheiro de Lisboa, Pedro Barros Ferreira, o que levou a que Assunção Cristas justificasse a escolha, mas as suas explicações geraram burburinho na sala. De Leiria também se ouviram críticas à opção por Raquel Abecasis, que é natural de Lisboa, assim como conselheiros do Porto também mostraram o seu desagrado pela imposição de candidatos no distrito.

A responsabilização da líder do CDS-PP pelas escolhas foi também a tónica da intervenção de Abel Matos Santos, porta-voz da Tendência Esperança em Movimento, corrente interna que tem sido crítica da actual direcção. O conselheiro nacional defendeu que o bom resultado do CDS será “mérito” de Assunção Cristas, como um mau resultado será totalmente da responsabilidade da líder do partido. Os elementos da TEM votaram contra a quota nacional das legislativas e abstiveram-se na lista das europeias, depois de Abel Matos Santos ter forçado a votação secreta.

Fora do conselho nacional, o líder da concelhia da Figueira da Foz do CDS, escreveu uma carta a Assunção Cristas, dizendo-se “bastante incomodado por ver ser nomeado para cabeça de lista às eleições legislativas” o chefe de gabinete da presidente do partido: Rui Lopes da Silva. “Sem desprimor para a pessoa que não conheço (apesar de estar há largas dezenas de anos no CDS) considero que esta indigitação prefigura uma notável falta de consideração e de respeito para com os militantes, pelo menos da Figueira da Foz”.

Listas aprovadas

Já de madrugada, as listas para o Parlamento foram aprovadas por 82,6% de votos a favor, 12% contra e 5,4% de nulos e brancos. Quanto às europeias lideradas por Nuno Melo, os votos favoráveis foram mais expressivos – 91% - tendo registado 3% contra e 5,7% de nulos e brancos.

Durante a reunião, Assunção Cristas também ouviu elogios à forma como fez as listas, um dos quais veio de Filipe Anacoreta Correia, que será cabeça de lista por Viana do Castelo. A própria líder do CDS sublinhou, já este sábado de manhã, numa declaração na sede do partido, que a lista conjuga renovação com experiência, novidade e continuidade e valoriza o mérito dos deputados”, abrindo-se “à juventude e a independentes”.

Assunção Cristas é a cabeça de lista por Lisboa, seguida por Ana Rita Bessa, que faz parte da equipa que está a elaborar o programa eleitoral para as legislativas, e pelo líder da distrital de Lisboa, João Gonçalves Pereira, deputado e vereador na capital. No Porto, a número um é Cecília Meireles, vice-presidente do partido. Para a segunda posição foi indicado o líder da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos. Em vários distritos mantêm-se os cabeças de lista: Viseu (Helder Amaral), Santarém (Patrícia Fonseca), e Aveiro (João Almeida). João Rebelo será o candidato por Faro, depois da saída de Teresa Caeiro.