Torne-se perito

Mulher de 91 anos com pneumonia tem de viajar 60 quilómetros para fazer hemodiálise

A idosa utiliza regularmente o Centro de Hemodiálise do Hospital de Vila Franca de Xira em ambulatório. Mas, como estava internada, já não o pôde fazer porque isso não está previsto no contrato entre o Estado e o hospital.

Foto
Centro de Hemodiálise é destinado sobretudo a doentes externos enric vives-rubio

Uma idosa de 91 anos foi obrigada a fazer várias viagens entre Vila Franca de Xira e Lisboa para ter acesso a serviços de hemodiálise num dos hospitais públicos da capital. O problema é que senhora estava internada no Hospital de Vila Franca de Xira (HVFX) com uma pneumonia grave. E, embora exista um Centro de Hemodiálise a funcionar na unidade hospitalar vila-franquense, os contratos de gestão celebrados entre o Ministério da Saúde e a empresa que gere o HVFX não abrangem boa parte dos casos de doentes internados.

O caricato da situação é que a idosa, residente em Alhandra, quando está em casa até utiliza regularmente o Centro de Hemodiálise do HVFX em regime de ambulatório. Mas, como estava internada, já não o pôde fazer. O caso foi denunciado por amigos da família que não entendem por que é que uma idosa nestas condições foi “obrigada” a fazer, de dois em dois dias, viagens de mais de 60 quilómetros em ambulância para poder fazer hemodiálise no Hospital Curry Cabral. A senhora teve alta a 18 de Março, mas todas estas viagens poderiam ter contribuído para um sério agravamento do seu já complicado estado de saúde.

O PÚBLICO apurou que o problema está na forma como foi programado o HVFX e nos contornos do contrato de gestão celebrado, em 2011, com uma empresa do Grupo Mello no âmbito de uma parceria público-privada. É que o Hospital desenhado pelo Ministério da Saúde tem um Centro de Hemodiálise mas não tem serviço de Nefrologia (especialidade que trata de doenças dos rins e do aparelho urinário). Como tal, o Centro de Hemodiálise começou por funcionar exclusivamente para utentes externos que recorrem ao serviço em regime de ambulatório. Já os doentes internados, pelas regras estabelecidas, não podiam recorrer ao Centro de Hemodiálise. A situação ainda foi atenuada por acordos celebrados em 2013 e 2018 entre a empresa que gere o Hospital de Vila Franca e o Centro Hospitalar de Lisboa Central, mas muitos dos doentes internados em Vila Franca continuam a ser obrigados a viajar regularmente até Lisboa para fazerem hemodiálise.

Em resposta ao PÚBLICO, a administração do Hospital Vila Franca de Xira explica que a unidade “presta cuidados de hemodiálise em regime de ambulatório no seu Centro de Hemodiálise a todos os doentes que necessitam deste tratamento e, ainda, a doentes em regime de internamento desde que estes cumpram os critérios clínicos específicos estipulados no protocolo existente entre esta unidade hospitalar e o Hospital Curry Cabral, no qual se encontra sediado o Serviço de Nefrologia do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE”.

É que, não tendo Serviço de Nefrologia próprio, o HVFX tem que articular estas situações com o chamado hospital de referência, que neste caso é o Curry Cabral. “Refira-se que em 2013 foi firmado um protocolo de cooperação entre o Hospital de Vila Franca de Xira e o Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE que prevê a articulação de estruturas e profissionais do Hospital Curry Cabral para prestar este tipo de tratamento no Hospital Vila Franca de Xira”, acrescentam os responsáveis do Hospital vila-franquense.

“Este protocolo previa inicialmente que os doentes internados no Hospital Vila Franca de Xira que necessitassem de cuidados especializados de nefrologia fossem transportados para o Hospital Curry Cabral. Em 2018, a pedido do Hospital Vila Franca de Xira, este protocolo foi aperfeiçoado e prevê agora que os utentes internados que necessitem de consulta, avaliação ou diálise possam fazê-lo no Hospital Vila Franca de Xira, desde que cumpram os critérios clínicos especificados no protocolo clínico existente entre as duas unidades hospitalares”, conclui o HVFX.

A questão é que os critérios estabelecidos para que os utentes internados possam fazer hemodiálise no Hospital de Vila Franca ainda deixam muitas situações de fora. A gravidade da situação do doente é um desses critérios, mas os familiares e amigos desta senhora não compreendem como é que o caso de uma idosa de 91 anos com pneumonia não é considerado suficientemente grave para evitar que tivesse que fazer viagens de dois em dois dias entre Vila Franca de Xira e Lisboa.

Sugerir correcção