Empresário e jovem piloto da TAP morrem em queda de aeronave

As vítimas são dois pilotos “experimentados” e praticantes, há longa data, deste tipo de voos recreativos: o mais velho é um empresário de 60 anos e o segundo ocupante tinha 26 anos.

Fotogaleria
LUSA/PEDRO SARMENTO COSTA
Fotogaleria
LUSA/PEDRO SARMENTO COSTA
Fotogaleria
LUSA/PEDRO SARMENTO COSTA
Fotogaleria
LUSA/PEDRO SARMENTO COSTA
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Duas pessoas morreram este sábado na sequência da queda de uma avioneta em Bragança, confirmou ao PÚBLICO fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) daquele distrito. 

As vítimas são dois pilotos “experimentados” e praticantes, há longa data, deste tipo de voos recreativos. O mais velho é um empresário de 60 anos, dono de um supermercado em Bragança. O segundo ocupante era mais jovem, tinha 26 anos e havia sido recentemente admitido ao serviço pela TAP, na qual devia começar a trabalhar na próxima semana, avança fonte da direcção do Aero Clube de Bragança.

A aeronave acidentada era um ultraligeiro de fabrico checo que foi adquirido há um mês pelo Aero Clube de Bragança. Foi construído em 2007. Segundo testemunhas no local, o avião estava a voar há cerca de meia hora em circuito, quando se ouviu um estrondo. Foram então vistas peças a cair, instantes antes de a aeronave se despenhar. No local, uma das asas do avião encontra-se a cerca de 150 metros do corpo central do mesmo.

Face à falta de visibilidade no local, apenas no domingo a autoridade aeronáutica nacional estará no local a fazer inspeccionar às condições em que aconteceu o acidente.

Contactado pelo PÚBLICO, o Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários (GPIAAF) disse tratar-se de uma aeronave ultraleve civil. A entidade não consegue adiantar mais pormenores para já, mas estão a tentar apurar as circunstâncias em que se deu o acidente. 

O alerta para uma “explosão e queda de aeronave ligeira” na zona de Aveleda e Rio de Onor foi dado às 17h54. No local estavam, por volta das 18h30, segundo o CDOS, 16 bombeiros com sete viaturas — mais reforços estavam a caminho da área do acidente. 

A aeronave, que fazia um “voo de recreio”, pertence ao Aeroclube de Bragança. Segundo confirmou uma fonte aeronáutica à agência Lusa, “ambos tinham brevet de piloto”.​ 

Peritos no local para investigar acidente

Uma equipa de dois peritos do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves chegou na manhã deste domingo ao local. Estão no terreno desde cerca das 09h para investigar as causas do acidente aéreo que testemunhas oculares descrevem como uma “explosão e queda” do avião com dois lugares que vitimou um conhecido empresário de 60 anos, e um jovem piloto da TAP, de 26 anos, ambos de Bragança. com Lusa