A revolução dos transportes no Grande Porto em dez estações

A 1 de Abril entra em vigor o passe único na Área Metropolitana do Porto. Em dez pontos, o PÚBLICO explica-lhe o que muda na mobilidade da região.

Foto
A partir de 1 de Abril há novos tarifários na rede de transportes do Porto Nelson Garrido

Não é mentira. A 1 de Abril há uma revolução nas redes de transporte de Lisboa e Porto. Com o aproximar da data, a Área Metropolitana do Porto já tem informações concretas sobre a mudança, que será alvo de uma campanha mediática a partir do dia 20 de Março, e que, a partir de dia 21, deverá levar muita gente às lojas, para comprar novos títulos mensais ou alterar o que detêm. A mudança para um tarifário mais simples, e mais barato, é um passo para uma alteração de paradigma no serviço que, em 2020, ao nível do transporte rodoviário, será feito debaixo de uma única “marca”, metropolitana, com autocarros de cores iguais, ainda que sejam vários os operadores envolvidos. Chegará para atrair mais gente para o transporte público, como se espera? Nos próximos meses se verá, até porque, pelo meio, decorre um concurso para concessionar todo o transporte em autocarro que serve a região, que vai implicar um reforço da oferta e da fiscalização do serviço efectivamente prestado. Para já, importa esclarecer o que muda no quotidiano de quem usa o transporte público já a partir de Abril. 

1. Quantas tarifas passam a existir?

O passe único implica um esforço de simplificação tarifária ao nível dos títulos mensais. A partir de 1 de Abril haverá um passe de 30 euros para andar dentro do concelho de residência ou viajar até um concelho vizinho que esteja a uma distância máxima de três zonas; e um passe de 40 euros para viajar entre qualquer ponto da área metropolitana, em qualquer um dos modos de transporte aderentes. Subsistem os passes com descontos sociais e o de estudante, e a partir de 1 de Setembro as crianças até aos 12 anos vão poder viajar gratuitamente. Quem não quiser comprar um passe terá sempre os tarifários para viagens ocasionais da rede Andante e de alguns operadores (como a STCP e a CP e privados), que mantém o seu próprio título adquirível a bordo dos autocarros e dos comboios.

2. O que tenho de fazer para aceder ao passe único?

Se tiver um passe Z3 ou superior, não tem de fazer nada. No primeiro caso, ao carregar o título de Abril nas máquinas instaladas nas paragens, ou nas caixas multibanco, o contrato será actualizado para o valor de 30 euros (no caso do Z3) ou de 40 (para quem tenha passes de quatro ou mais zonas). Os detentores de títulos Z2 deverão dirigir-se a uma loja Andante e escolher a terceira zona por onde poderão passar a circular com um valor ligeiramente inferior ao que pagam actualmente.

3. Por onde posso circular com um passe de 30 euros?

Com 30 euros por mês é possível viajar dentro do concelho de residência ou seguir até um concelho vizinho desde que o destino esteja a um máximo de três zonas de distância. Tal como acontece hoje com os títulos mensais Andante existentes, este passe de 30 euros limita-o a um percurso pré-determinado (o atravessamento das zonas A, B, C, contíguas).

4. Por onde posso circular com um passe de 40 euros?

O passe de 40 euros encarna uma nova filosofia e torna-se, na prática, num verdadeiro título metropolitano, que permite viajar por onde quisermos, em transporte público. Tanto serve para deslocações diárias em distâncias maiores, como no limite, permite, em lazer, fazer viagens bem mais longas como entrar no metro na Póvoa de Varzim, no extremo norte e, no Porto, apanhar um autocarro para ir dar uma volta aos passadiços de Arouca, no sudeste da AMP, por exemplo.

5. E o passe família, porque não avança desde já?

A AMP, tal como a AML, está a estudar uma forma de pôr em prática o passe família, que permitirá que um agregado pague no máximo 80 euros pelo conjunto de títulos mensais de viagem que precise. Ou seja, um casal com três filhos paga esse valor (ou 60 euros, se fizer deslocações mais curtas), que corresponde ao custo do passe dos adultos. Mesmo que tenham mais de 12 anos, os três filhos deste casal nada pagariam, por estarem abrangidos pelo passe família. A questão, assume o presidente da Área Metropolitana, Eduardo Vítor Rodrigues, é encontrar um método imune a fraudes na comprovação do agregado, para evitar que, tal como no Rendimento Social de Inserção, uma “medida positiva ganhe, na opinião pública, uma percepção negativa”.

6. Há municípios que vão alargar a gratuitidade para lá dos 12 anos?

Sim. O Porto já anunciou que quer “pagar” para alargar a gratuitidade nos transportes – metro e STCP, no caso desta cidade – a jovens até aos 15 anos, quando o passe Sub-12 entrar em vigor e Matosinhos quer fazer o mesmo com todos os alunos das escolas do concelho, independentemente da idade, já no terceiro trimestre deste ano escolar. A Maia também está a estudar este alargamento do desconto para a população escolar, mas não anunciou datas. Aida não há informação concreta sobre a forma de aceder a estes benefícios.

7. Como posso escolher o melhor passe para o meu caso pessoal?

Cada utilizador deve fazer as suas contas em função do perfil das suas deslocações. A partir de 1 de Abril, entra também em vigor um novo mapa de zonas Andante, que passa a cobrir, pela primeira vez, todos os 17 concelhos da AMP. A partir do ponto de residência, e olhando para o mapa, cada cidadão pode perceber qual o título que lhe é mais vantajoso. Atenção. Tal como acontece hoje com os títulos mensais Andante existentes, o passe de 30 euros limita-o a um percurso pré-determinado (o atravessamento das zonas A, B, C, contíguas). Para além de dividir em favos áreas dantes não cobertas por este tarifário, este novo mapa Andante criou uma nova zona no Norte da Maia (abrangendo a Zona Industrial).

8. Estes dois passes vão estar disponíveis em toda a AMP?

Teoricamente, estes dois passes vão estar disponíveis nos 17 concelhos da região mas não a partir de 1 de Abril. Alguns operadores rodoviários privados com serviços em áreas mais periféricas da AMP estão renitentes em comprar equipamentos de validação dos títulos Andante neste momento, e a área metropolitana está a tentar encontrar uma solução para que até Maio toda a região fique coberta.

9. Porque não aderem todos os transportadores privados?

O problema decorre da abertura, também em Abril, do concurso para a concessão dos serviços de transporte rodoviários da AMP. As empresas que, a partir de 2020, ganharem o direito a explorar as linhas de autocarro da região nos próximos sete anos, serão obrigadas a usar o Andante, mas há quem não queira fazer um investimento em maquinaria sem saber se ganha, ou não, a concessão. Além disso, o Estado tem-se atrasado a pagar as compensações por outros descontos, o que gera alguma desconfiança que a AMP conseguiu ultrapassar, ainda assim, na maioria dos casos. 

10. E os serviços da CP, como ficam

Segundo Eduardo Vítor Rodrigues a CP tem resistido a introduzir o passe único em todos os serviços que presta no território da Área Metropolitana. A questão vai ser resolvida com a assinatura, a 29 de Março, de um contrato entre o Governo e a AMP que dará a desta entidade poderes de definição do tarifário a prestar por aquela transportadora pública ferroviária na região.