Crónica de jogo

Uma vitória tão controversa quanto merecida

Sporting derrota o Boavista graças a um penálti no último minuto. Triunfo assenta bem a uma equipa que entrou praticamente a perder mas deu a volta ao marcador.

Bruno Fernandes foi quem desfez o nulo, no Bessa.
Foto
Bruno Fernandes foi quem desfez o nulo, no Bessa. LUSA/FERNANDO VELUDO

Foi de penálti e com muitos protestos do Boavista à mistura que o Sporting derrotou neste sábado os “axadrezados” por 2-1, no Estádio do Bessa. Um triunfo justo e merecido da equipa que mais trabalhou para conquistar os três pontos e que soube dar a volta ao texto, depois de se ter visto a perder desde, praticamente, o início da partida.

O jogo começou e terminou com emoção. Logo aos três minutos, numa jogada que não prometia dar nada, o Boavista inaugurou o marcador. Livre apontado por Bueno, má abordagem ao lance de Coates e Ristovski e Neris a aproveitar o deslize para encaminhar a bola para dentro da baliza sportinguista.

Estava inaugurado o marcador e o Sporting via a sua vida complicar-se ainda mais perante um opositor que tinha somado três vitórias no Bessa desde que Lito Vidigal assumiu o comando técnico da equipa.

O Sporting demorou um pouco a reagir, mas graças à classe de Bruno Fernandes e à velocidade de Raphinha, conseguiu não se afundar. E foi precisamente num lance com Raphinha como protagonista que chegou à igualdade, já que o cruzamento do avançado “leonino” foi desviado para dentro da baliza do Boavista por Edu Machado, na tentativa de evitar o desvio de Acuña.

O jogo foi para intervalo mas pouco ou nada mudou no segundo tempo. O Boavista tentava compensar o menor virtuosismo técnico dos seus jogadores com um futebol de garra e lutador, enquanto o Sporting procurava aproximar-se da baliza de Bracali como podia. Daí que, lances de perigo, só mesmo junto da baliza boavisteira e foram vários, todos eles sem sucesso.

Luiz Phelyppe, substituto do lesionado Bas Dost no “onze” “leonino”, foi uma nulidade durante o jogo e o melhor que conseguiu fazer, ainda no primeiro tempo, foi acertar num dos postes da baliza adversária quando estava completamente solto.

Marcel Keizer apostou tudo no último quarto de hora do encontro, fazendo entrar Diaby e Doumbia e o Sporting empurrou o Boavista ainda mais para a sua área. Só que os “axadrezados” resistiam e mantinham a sua baliza protegida. Até que, em cima do minuto 90, um cruzamento mais ou menos inofensivo para o interior da área do Boavista foi disputado por Edu Machado e Raphinha, com o defesa boavisteiro a abrir os braços e, de costas para o seu adversário, acertar no rosto do sportinguista com um braço. Jogada controversa, com os jogadores do Boavista a defenderem que o toque não foi mais do que isso, um toque, e que a reacção de Raphinha foi exagerada. Mas o veredicto do videoárbitro foi diferente e o Sporting beneficiou mesmo do penálti.

Bruno Fernandes, o médio goleador, não vacilou e marcou o seu 24.º golo da temporada, garantindo os três pontos ao Sporting.