City conquista nos penáltis uma Taça da Liga surrealista

Nulo frente ao Chelsea resistiu ao prolongamento, nos penáltis equipa de Guardiola venceu 3-4.

Sterling marcou o penálti decisivo
Foto
Sterling marcou o penálti decisivo LUSA/NEIL HALL

Pela segunda temporada consecutiva, a Taça da Liga inglesa é do Manchester City. A equipa de Pep Guardiola superou o Chelsea, no desempate por penáltis (3-4), após o nulo ter resistido no marcador durante o tempo regulamentar e o prolongamento. Mas haverá mais razões para recordar uma final com contornos surrealistas em Wembley.

Não foi um jogo de arrebatar, nem perto disso, mas que transbordou de emoção na recta final. Duas semanas depois de as duas equipas se terem encontrado em Manchester, para o campeonato, com goleada do City por 6-0, a desinspiração foi a nota dominante durante grande parte do tempo. Uma primeira parte marcada pelas cautelas de parte a parte, um segundo tempo em que ninguém quis arriscar (os “citizens” tiveram um golo anulado por indicação do videoárbitro, por fora-de-jogo de Agüero).

O inevitável prolongamento não fez funcionar o marcador, mas introduziu o surrealismo na partida de Wembley. Já perto do final do tempo extra, o guarda-redes do Chelsea, Arrizabalaga, recebia assistência médica (já não era a primeira vez que tal acontecia). No banco, Maurizio Sarri deu indicação para a entrada do suplente Caballero, que já estava junto à linha pronto para entrar quando o primeiro disse que estava bem. Gerou-se um impasse: Caballero estava pronto para entrar, Arrizabalaga não queria sair. A substituição acabou por não acontecer, o que deixou o treinador italiano furibundo.

Sarri e Arrizabalaga não trocaram palavra durante a preparação para os penáltis, e foi com este ambiente de cortar à faca que os “blues” enfrentaram a decisão do troféu. Jorginho começou por falhar, Arrizabalaga deixou a bola passar-lhe por baixo das mãos permitindo o 1-2 de Agüero mas depois defenderia o remate de Sané para manter o 2-2. David Luiz atirou ao poste, Bernardo Silva (considerado o homem do jogo) aproveitou para fazer o 2-3, e Sterling encerrou as contas em 3-4. Mas não restam grandes dúvidas que a questão entre Sarri e Arrizabalaga dará que falar.