Este Villarreal é uma “obrigação” para o Sporting

“Leões” recebem nesta quinta-feira o penúltimo classificado da Liga espanhola em jogo da primeira mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa.

Foto
Marcel Keizer LUSA/MIGUEL A. LOPES

Marcel Keizer pode dizer que o Sporting não tem obrigação de ultrapassar o Villarreal nos 16 avos-de-final da Liga Europa, mas este “Submarino Amarelo” que se apresenta nesta quinta-feira (20h, SIC) em Alvalade para o jogo da primeira mão é daquelas equipas a quem tudo está a correr mal. É penúltimo na Liga espanhola, ainda não ganhou em 2019, já trocou duas vezes de treinador – voltou ao técnico que começou a época e que tinha sido despedido em Dezembro do ano passado - e fez a viagem até Lisboa sem vários dos seus habituais titulares, o que sugere que a prova europeia está bem longe de ser uma prioridade.

Mesmo tratando-se de uma equipa que luta pela sobrevivência em Espanha, Marcel Keizer não vê o Sporting como um favorito declarado a seguir em frente na eliminatória. "É claro que queremos muito passar à fase seguinte. Falar em obrigação, acho que é um pouco demais para mim. As duas equipas são muito boas e as últimas duas semanas foram complicadas para nós", considera o técnico holandês, que deixa elogios ao Villarreal, um adversário “difícil e fechado”: “É uma equipa que joga com passes muito rápidos e tem um jogo curto. É uma equipa boa, vai ser difícil, mas podemos ganhar. Vai ser um jogo fechado.”

PÚBLICO -
Aumentar

Este Villarreal está, de facto, bem longe da equipa que há não muito tempo chegou às meias-finais da Liga dos Campeões, um tempo em que tinha jogadores como Riquelme ou Forlán. Agora, é uma equipa que está perdida no fundo da Liga espanhola, a lutar pela manutenção, já não ganhando um jogo desde Dezembro do ano passado. Aliás, desde que o sorteio emparelhou Sporting e Villarreal, a equipa da Comunidade Valenciana só tem empates (sete) e derrotas (três) e, durante toda a época, só tem seis vitórias em 33 jogos.

Javier Calleja, que voltou ao Villarreal depois de ter sido despedido em Dezembro, diz que a sua equipa vai lutar pela eliminatória, embora admita fazer várias mudanças no seu “onze” habitual. “Temos de encarar cada jogo como se fosse o mais importante e agora só pensamos no Sporting. A equipa vai ser uma mistura [entre habituais titulares e suplentes]. Se conseguirmos ganhar, a equipa ficará com a moral em alta. Uma vitória dá confiança e segurança para enfrentar o desafio seguinte”, afirmou o técnico espanhol, que espera aproveitar algumas debilidades defensivas demonstradas esta época pelo Sporting: “O acerto na finalização é algo que tem falhado esta temporada. É na zona de finalização que temos de melhorar.”

Este será o 12.º jogo do Sporting em 2019, um ano que tem sido de altos (conquista da Taça da Liga) e baixos (dupla derrota com o Benfica). O calendário carregado tem sido um problema para os “leões”, que nem sequer têm tempo para respirar. Depois deste primeiro jogo com o “Submarino Amarelo”, o Sporting recebe no domingo o Sp. Braga e, na quinta-feira seguinte, joga no El Madrigal a segunda parte da eliminatória. Depois, segue para o Funchal e para um confronto com o Marítimo na segunda-feira seguinte, o 15.º jogo em dois meses.