Uma fuga para a casa de partida

Fuga sem Fim estreou-se no Centro Cultural Vila Flor em Novembro de 2011, e pouco mais de sete anos depois, ei-la de volta a casa, esta quarta-feira à noite, pelas 21h30, no âmbito do festival GUIdance.

Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

É um regresso ao ponto de fuga, que neste caso não é onde a história acaba mas onde tudo começou. Fuga sem Fim foi uma encomenda da Companhia Instável, estreada no Centro Cultural Vila Flor em Novembro de 2011, e pouco mais de sete anos depois, ei-la de volta a casa, esta quarta-feira à noite, pelas 21h30, no âmbito do festival GUIdance – Festival Internacional de Dança de Guimarães. Sobre esta criação do coreógrafo convidado Victor Hugo Pontes, a partir de uma ideia de João Paulo Serafim, escreveu em 2013 Tiago Bartolomeu Costa, no PÚBLICO: “Concebida a partir do filme Chantagem, de Alfred Hitchcok, a coreografia sugere uma reacção à dormência da imagem, implicando os bailarinos em decisões-limite, muitas vezes sujeitando-os à interrupção da organicidade, ou intuição, dos próprios movimentos. (…) A coreografia existe enquanto cruzamento, ou encruzilhada, entre a dança contemporânea e a fotografia, entre o corpo em potência e a ausência física do movimento. E no modo como Victor Hugo Pontes gere uma expectativa narrativa, no modo como dribla as nossas próprias expectativas, encontra-se uma hipnótica e sedutora máquina de construção de significados que têm no corpo o seu ponto-limite”.

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Sugerir correcção