Conteúdo comercial

Portugueses preferem o alojamento local para usufruir das férias

É daqueles que prefere alojamento local em vez de hotel? Se a sua resposta foi sim, saiba que não está sozinho. Quando o assunto é férias, a maioria dos portugueses prefere mesmo ficar numa casa ou num apartamento. Em 2018, o sector gerou um impacto económico de 412ME em Portugal.

Foto

A conclusão é do primeiro barómetro nacional sobre o perfil dos viajantes portugueses, uma iniciativa conjunta entre a HomeAway, plataforma especialista em alojamentos para férias e o Centro de Investigação em Comunicação Aplicada, Cultura e Novas Tecnologias (CICANT) da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Apresentado no final do ano passado, o “Barómetro de Alojamento Local em Portugal” revela que o alojamento local foi a opção de estadia privilegiada a nível nacional de Agosto de 2016 a Agosto de 2018.

No estudo, que teve como objectivo fornecer uma radiografia sobre os hábitos e costumes dos turistas portugueses e compreender melhor as especificidades deste sector, participaram 2071 indivíduos residentes em Portugal, de ambos os sexos, com idades entre os 18 e os 65 anos.

Uma das principais conclusões do barómetro destaca que cerca de 1,7 milhões de viajantes, residentes em Portugal, terão ficado hospedados, pelo menos uma vez, num alojamento local, sendo que a maioria dos inquiridos (83%) utilizou esta opção de estadia entre 1 a 4 vezes, durante o período de análise do estudo.

Mas afinal, o que leva os viajantes a optar pelo alojamento local em detrimento de outras opções, como o alojamento rural e hotéis, por exemplo? O preço, a localização e a comodidade são os principais motivos apontados. Além disso, o estudo revela que são as famílias que mais procuram esta alternativa, num total de 41,30%, seguindo-se os casais (34,90%) e os grupos de amigos (18,5%). Verificou-se ainda que as estadias por esta via têm a duração de sete dias e que o número médio de turistas presentes no alojamento local é de 3,88%. Os apartamentos lideram as preferências de 42,5% dos inquiridos.

No que respeita aos destinos eleitos, as regiões do Algarve, Norte e Centro são as mais procuradas. No momento de reservar, o online ganha enquanto opção de 62% dos viajantes, contra 21% que preferem o contacto telefónico.

O barómetro revela ainda que a satisfação geral dos viajantes com o seu alojamento local mais recente é de 4 sobre 5, sendo que 1 é pouco satisfeito e 5 muito satisfeito. A grande maioria (79%) dos viajantes deste tipo de alojamento refere que voltaria a escolher o mesmo alojamento se pudessem repetir a experiência e 85% dos viajantes provavelmente ou muito provavelmente recomendariam o alojamento em que ficaram alojados.

Impacto positivo na economia

Quando se pensa em ir de férias, há algo que pesa – e muito - nas escolhas: o orçamento. E de facto, o alojamento local é uma boa opção no que respeita a uma maior gestão de custos. Quando analisados os gastos directos e indirectos dos inquiridos, o barómetro concluiu que a média de gastos apenas com a estadia ascende a 354,17€. Mas as contas não terminam aqui: há que contabilizar os valores das deslocações, com alimentação e lazer. Segundo o estudo, a média ponderada de gastos indirectos – excluindo o alojamento – é de 383,11€. Quando se analisa o impacto destas estadias na economia do país, e com base no número de hóspedes estimados pelo Instituto Nacional de Estatística e a taxa de crescimento de 18%, calcula-se que os gastos totais associados ao alojamento local em 2018 tenham tido um impacto económico de cerca de 411.919.000€, dos quais 278.276.000€ foram gastos durante a estadia e 133.643.000€ destinaram-se às despesas resultantes da reserva do alojamento.

Segundo os parceiros do estudo, é claro o peso e impacto do alojamento local no turismo e na economia portuguesa sendo ainda responsável pela criação e manutenção de postos de trabalho, pela valorização imobiliária e recuperação urbana, pela geração de valor para as autarquias através da taxa turística, assim como pelo seu forte contributo para o aumento sustentado da oferta turística em Portugal.

PÚBLICO -

Ir de férias (continua a ser) cá dentro

No momento de descansar, continua a ser uma boa escolha ir para férias cá dentro. Mesmo a nível mundial, é notória a vinda de turistas estrangeiros ao nosso país. A comprová-lo estão os vários prémios internacionais que colocam as terras lusas como destinos de excelência. Senão veja-se: Portugal foi eleito pelo segundo ano consecutivo como “o melhor destino do mundo”, na distinção “World Travel Awards” [considerados os Óscares do turismo], em Dezembro último, tendo arrecadado um total de 15 prémios. Lisboa foi a cidade que acolheu a 25ª gala de entrega dos prémios e teve também direito a dois galardões ao ser reconhecida como “a melhor cidade destino” e o “melhor destino city break” a nível mundial.

O clima, a gastronomia, as paisagens únicas, a segurança e tantos outros motivos levam a que Portugal esteja cada vez mais na moda. O país agradece!