Unsplash
Foto
Unsplash

Megafone

O mito do bom pedófilo

Sabemos a verdade: online ou offline, todos os pedófilos abusam de crianças. Cada clique, cada visualização de pornografia infantil corresponde a uma vítima, uma criança abusada para prazer de milhões de homens que diariamente consomem as imagens desse abuso. Acabemos, por isso, com o mito do bom pedófilo, porque ele não existe.

"Eu estava a andar e uma vizinha chamou-me: 'Vem cá'. Disse-me para entrar em sua casa e mandou-me tirar as minhas roupas e ficar em frente ao computador. Eu vi um homem americano que estava nu. Ele estava a olhar mim. Tive muito medo."

Este é o relato de uma menina de seis anos de Cebu, nas Filipinas, onde todos os dias centenas, se não milhares, de crianças são forçadas a ficar nuas em frente a ecrãs, enquanto “os estrangeiros” do outro lado do mundo se masturbam a olhar para elas. Esta cruel realidade é denunciada no documentário da Netflix Dark Net (temporada 1, episódio 3).

Esta menina foi violada? Afinal ninguém lhe tocou, nem a vizinha nem o estrangeiro. Será isto abuso? Pornografia infantil? A lei é clara e a resposta é um sim gritante – é claro que se trata de abuso sexual de menores. E quem está do outro lado do ecrã? Quem são estes “estrangeiros” que aterrorizam e traumatizam estas crianças? Serão pedófilos?

Alguns especialistas são muito vocais quanto à importância de distinguir os pedófilos dos abusadores sexuais de crianças. Neste jornal, este artigo fez recentemente esse alerta: “Do ponto de vista profissional, é para nós preocupante esta difusão ampla de soluções 'fáceis', que traduz uma confusão incompreensível entre os conceitos de abuso sexual (um crime) e pedofilia (perturbação mental).”

Talvez do “ponto de vista profissional”, Rute Agulhas e os seus colegas não consigam compreender por que razão a maioria de nós considera essa diferença irrelevante. Para isso seria necessário analisarem o tema do ponto de vista da criança.

Pensando na menina de Cebu, que chorava ao relatar o que lhe acontecera, algum de nós consegue dizer que ela não foi abusada porque não foi tocada nem penetrada? O abuso não foi real? As suas lágrimas eram reais e o seu medo também. Os efeitos psíquicos devastadores e o trauma eterno do abuso sexual na infância está por demais estudado (remete-se para este estudo, mas muitas centenas mais existem). O abuso sexual de menores reveste-se de muitas formas com diferentes graus de seriedade. Mas mesmo o que não envolve o abuso físico directo deixa nas crianças níveis de trauma comparáveis e de uma gravidade extrema.

Independentemente do interesse académico que a distinção entre pedófilo e abusador sexual possa ter para este pequeno grupo de especialistas em Portugal, especialistas noutros países preferem falar em abusador online e offline. Com efeito, esta terminologia define de forma mais precisa o problema e considera o real impacto e consequências do crime de abuso sexual de menores. São dois termos que nos forçam a abrir os olhos para a extensão e dimensão deste problema: todos são abusadores — os pedófilos, os abusadores online e os abusadores offline.

Vivemos em plena cultura da pornografia, onde as imagens mais violentas e macabras de crimes sexuais estão a um clique de distância, gratuitamente disponíveis. Há uma década, os sites para adultos tinham, em média, um milhão de visitas por dia; hoje, os sites de uma única empresa da indústria pornográfica — a Mindgeek — recebem mais de 100 milhões de visitantes diários, provando que o consumo de pornografia atingiu níveis estratosféricos.

Estes são alguns dos dados sobre a pornografia “legal”, para adultos — embora a palavra mais pesquisada nestes sites seja teen, o que nos fornece um bom indicador sobre as preferências sexuais de homens adultos e indicia que talvez o número de homens atraídos sexualmente por crianças e pré-adolescentes seja bem maior do que pensamos. Mas os dados da pornografia ilegal são ainda mais assustadores. Estima-se que 80% do tráfico escondido no Tor — motor de busca que permite o acesso à dark net — seja pornografia infantil.

Podemos debater-nos sobre a importância da distinção entre abusador online e offline, mas não percamos a visão da verdade: todos, directa ou indirectamente, abusam de crianças. Os abusadores offline porque lhes tocam, penetram-nas, obrigam-nas à prática de actos sexuais. Os abusadores online porque contribuem directamente para o abuso sexual de crianças. Quando visualizam pornografia infantil estão, indirectamente, a tocar naquelas crianças, a despi-las, a penetrá-las e a obrigá-las aos actos sexuais mais traumatizantes e dolorosos, perpetuados numa imagem ou vídeo que será consumido como assistente de masturbação por milhões de homens.

Perante os números conhecidos de tráfico online e pornografia infantil, teríamos de ser muito ingénuos para acreditar no mito do bom pedófilo: o homem em sofrimento constante pelos seus desejos proibidos e jamais consumados. Não disputamos a estatística ressaltada no artigo do Público que refere que apenas 3 a 5% dos pedófilos abusa directamente de crianças, mas somos obrigados a expor todo o icebergue e não apenas a sua ponta: são milhões os abusadores online, submergidos, protegidos e ainda elogiados por não violarem crianças directamente. Poupemos a nossa empatia e compaixão para quem de facto é meritório e dela precisa: as crianças vítimas deste crime hediondo.

A preocupação dos especialistas que assinaram o artigo parece ser mais a humanização dos pedófilos — repare-se como se referem à pedofilia como uma “perturbação mental”, em vez do termo tecnicamente correcto que é parafilia — e de como os podemos integrar na sociedade. Refira-se a este propósito o Projecto Dunkelfed, na Alemanha, que já há vários anos tenta reabilitar pedófilos, através de extensa terapia. Este projecto costuma ser invocado pelos activistas que gostariam de ver a pedofilia reconhecida como orientação sexual. Os resultados publicados pelos coordenadores do projecto num estudo que acompanhou pedófilos durante seis anos foram desastrosos: 29 dos 32 abusadores online, sujeitos a anos de terapia, reincidiram e voltaram a consumir pornografia infantil.

Sabemos a verdade: online ou offline, todos os pedófilos abusam de crianças. Cada clique, cada visualização de pornografia infantil corresponde a uma vítima, uma criança abusada para prazer de milhões de homens que diariamente consomem as imagens desse abuso. Acabemos, por isso, com o mito do bom pedófilo, porque ele não existe.

Nota da autora: Usou-se o género gramatical masculino nas referências a pedófilos e abusadores porque estima-se que 97% a 99% destes sejam homens. Não se nega a existência de mulheres abusadoras online e offline, mas a prevalência não é significativa.