Terminal de Cruzeiros de Lisboa finalista do prémio Mies van der Rohe

Além de João Luís Carrilho da Graça, autor de um dos 17 projectos portugueses inicialmente nomeados, na lista dos finalistas está também o nome de Alexandra Sobral, do atelier espanhol Nieto Sobejano Arquitectos.

Terminal de Cruzeiros de Lisboa
Fotogaleria
Terminal de Cruzeiros de Lisboa Ricardo Lopes
Fotogaleria
Centro Arvo Pärt em Talin, na Estónia, do atelier Nieto Sobejano Arquitectos Roland Halbe
Fotogaleria
Casa da Música de Innsbruck, Erich Strolz; Dietrich | Untertrifaller Architekten Erich Strolz; Dietrich | Untertrifaller Architekten
Fotogaleria
Centro Cívico Lleialtat Santsenca, em Barcelona, HARQUITECTES Adrià Goula
Fotogaleria
Museu das Artes de Nantes, Stanton Williams Architects Stanton Williams Architects
Fotogaleria
Edifício de habitação em Berlim, do atelier ifau - HEIDE & VON BECKERATH Andrew Alberts
Fotogaleria
Casa Lego em Billund, Dinamarca, BIG - Bjarke Ingels Group Iwan Baan
Fotogaleria
Biblioteca Central Oodi em Helsínquia, ALA Architects Ltd. Tuomas Uusheimo

O projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, da autoria do arquitecto português João Luís Carrilho da Graça, é um dos 40 finalistas do Prémio de Arquitectura Contemporânea da União Europeia Mies van der Rohe, anunciou a organização.

Também o projecto do edifício do Centro Arvo Pärt, em Talin, na Estónia, liderado pela arquitecta portuguesa Alexandra Sobral, do atelier espanhol Nieto Sobejano Arquitectos, se encontra entre os finalistas.

Em comunicado, a Comissão Europeia e a Fundação Mies van der Rohe, que atribuem o galardão, anunciaram os 40 finalistas seleccionados por um júri presidido pela arquitecta dinamarquesa Dorte Mandrup e completado por George Arbid, Angelika Fitz, Stefan Ghenciulescu, Kamiel Klaasse, María Langarita e Frank McDonald.

Inicialmente estavam nomeados a um dos mais importantes prémios mundiais de arquitectura 383 projectos, dos quais 17 eram portugueses.

O país mais representado nos 40 projectos é a França, com sete obras, imediatamente seguida da Espanha, com seis, e da Bélgica, com quatro.

O projecto de Carrilho da Graça é o único nomeado na categoria de infra-estrutura, estando perante candidatos como a praça Skanderberg, em Tirana, na Albânia, que juntou arquitectos de três países na sua autoria, ou a Casa da Música de Innsbruck, na Áustria, a Desert City, em Madrid, e o Museu de Artes de Nantes, em França.

Dos 40 projectos agora escolhidos, o júri vai ainda seleccionar cinco finalistas, que serão anunciados a 13 de Fevereiro, devendo o vencedor ser conhecido em meados de Abril.

O prémio, no valor de 60 mil euros, instituído em 1987 pela Comissão Europeia e pela Fundação Mies van der Rohe, com sede em Barcelona, é considerado um dos galardões de maior prestígio na área da arquitectura. É bienal e distingue projectos de arquitectura construídos nos dois anos que precedem a sua atribuição. Também entrega um prémio de 20 mil euros a arquitectos no início de carreira.

O prémio toma o nome do arquitecto de origem alemã Mies van der Rohe (1886-1969), que dirigiu a escola Bauhaus, fundada há cem anos, na Alemanha, e que se fixou nos Estados Unidos depois da tomada do poder pelas forças nazis, na Alemanha, em 1933.

O projecto do arquitecto português Álvaro Siza para o antigo Banco Borges e Irmão, em Vila do Conde, foi o distinguido na primeira edição do prémio, em 1988.

Sugerir correcção