Luís Montenegro diz preferir directas do que votação no conselho nacional

Ex-líder da bancada do PSD foi recebido ao início da tarde pelo Presidente da República no Palácio de Belém. No fim do encontro disse que acredita que militantes teriam preferido clarificação.

Luís Montenegro
Foto
Luís Montenegro Martin Henrik

Luís Montenegro esteve nesta segunda-feira reunido com Marcelo Rebelo de Sousa, em Belém, durante 45 minutos, para discutir a crise no PSD. À saída, disse lamentar que "Rui Rio tenha tido medo de ouvir a voz dos militantes" e mostrou que continua apostado em disputar eleições directas no partido, desvalorizando a reunião extraordinária do Conselho Nacional, já marcada para esta quinta-feira, no Porto

"Disse que estaria disponível para essa clarificação. Se algum dia o conselho nacional vier a decidir que há eleições directas no PSD eu serei candidato", afirmou. O ex-líder parlamentar insistiu na ideia de que prefere as directas para a "clarificação", que pediu. "O conselho nacional não é a minha praia nesta discussão. Não vou discutir se a decisão é A ou B", disse, repetindo que está disposto a disputar as eleições directas. "A opção de ouvir o conselho nacional é única e exclusivamente responsabilidade de Rui Rio. Essa não é a minha opção", disse, afastando-se da ideia de ter intenção de apresentar uma moção de censura. 

O ex-líder da bancada argumentou sobre a posição que anunciou na passada sexta-feira. Em primeiro lugar, "passou um ano" desde que Rui Rio foi eleito e, em segundo lugar, a sua estratégia foi "executada e tem um resultado" que é "mau" na sua opinião e na de "muitos militantes". Luís Montenegro rebateu uma das ideias em que a direcção tem insistido e que justifica a sua iniciativa - a de querer preservar os lugares dos seus apoiantes no Parlamento. O ex-líder parlamentar assegurou que essa "preocupação" é a de "muitos" dos apoiantes de Rui Rio. 

Sem querer revelar a conversa com Marcelo Rebelo de Sousa, Luís Montenegro disse ter pedido a audiência ao Presidente da República antes de anunciar o seu desafio à liderança do PSD, mas que só se realizou esta segunda-feira. 

Antes de Luís Montenegro, Rui Rio esteve reunido com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Porto, na sexta-feira. À saída do encontro, e a propósito do desafio deixado por Montenegro nessa mesma tarde, o líder do PSD disse não iria fazer de conta que nada aconteceu.

Já esta segunda-feira, a Norte, o líder do PSD avisou que não vai "andar a animar a comunicação social" com questões internas do partido, preferindo criticar a "carga fiscal brutal" que disse existir em Portugal com o actual Governo.

"Sou obrigado a vir trazer as coisas do partido à praça pública por aquela razão, agora não contem comigo para andar a animar a comunicação social esta semana com coisas internas", declarou Rui Rio, em Vila Nova de Famalicão, de visita à empresa Riopele, quando questionado sobre a data para o conselho nacional para votar a moção de confiança à sua liderança.

O presidente do PSD recusou ainda responder sobre a forma de votação da referida moção de confiança, se de braço no ar ou por voto secreto.