©Åke Ericson
Foto
©Åke Ericson

“Indesejados”: um retrato profundo do povo cigano na Europa

O fotolivro Non Grata, de Åke Ericson, é um retrato singular do povo cigano realizado ao longo de oito anos, em dez países europeus. "Eles sentem-se discriminados em todos os países que visitei", concluiu, em entrevista ao P3, o autor sueco.

Foi sob o calor de Agosto de 2009, na cidade de Břeclav, na República Checa, que o fotojornalista sueco Åke Ericson tomou conhecimento de uma história que viria a alterar o rumo da sua vida. “O município acabava de relocalizar duas famílias ciganas, após tê-las expulsado das suas casas – onde viviam há várias gerações – para que, no mesmo local, pudesse ser construído um centro comercial”, explicou ao P3, numa entrevista via Skype.

PÚBLICO - O fotógrafo sueco retratou o quotidiano de várias comunidades ciganas na Europa durante oito anos. França, Sérvia, Kosovo, Roménia, Suécia, República Checa, Eslováquia, Hungria, Espanha e Suiça são os países que visitou
O fotógrafo sueco retratou o quotidiano de várias comunidades ciganas na Europa durante oito anos. França, Sérvia, Kosovo, Roménia, Suécia, República Checa, Eslováquia, Hungria, Espanha e Suiça são os países que visitou ©Åke Ericson
PÚBLICO - Homem caminha no exterior de um antigo estábulo convertido em habitação. Dois anos antes, três famílias ciganas foram obrigadas pelo município a mudar de morada para um antigo celeiro nos arredores da cidade. 
Breclav, República Checa, 2009
Homem caminha no exterior de um antigo estábulo convertido em habitação. Dois anos antes, três famílias ciganas foram obrigadas pelo município a mudar de morada para um antigo celeiro nos arredores da cidade. Breclav, República Checa, 2009 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Um jovem homem enche uma vasilha com água para lavar o cabelo. Em Apold, na Transilvânia, a comunidade cigana continua a viver em condições extremamente precárias.
Apold, Roménia, 2010
Um jovem homem enche uma vasilha com água para lavar o cabelo. Em Apold, na Transilvânia, a comunidade cigana continua a viver em condições extremamente precárias. Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Olga na sua sala de estar. 
Košice, Eslováquia, 2014
Olga na sua sala de estar. Košice, Eslováquia, 2014 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Famílias ciganas, de cinco elementos cada, vivem em casas de uma só dependência, infestadas de baratas e percevejos, sem privacidade. O presidente da Câmara de Kladno diz ser impossível mudá-las para apartamentos.
Kladno, República Checa, 2012
Famílias ciganas, de cinco elementos cada, vivem em casas de uma só dependência, infestadas de baratas e percevejos, sem privacidade. O presidente da Câmara de Kladno diz ser impossível mudá-las para apartamentos. Kladno, República Checa, 2012 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Victoria é uma das muitas mulheres ciganas vítimas de tráfico humano para prostituição, em Zurique, onde a actividade é legal. Todos os meses, Victoria paga 2.368 euros de renda pelo quarto onde dorme e se prostitui, no Kosovan Club. Deixou o seu filho de cinco anos ao cuidado de familiares na sua aldeia, na Roménia. 
Zurique, Suiça, 2015
Victoria é uma das muitas mulheres ciganas vítimas de tráfico humano para prostituição, em Zurique, onde a actividade é legal. Todos os meses, Victoria paga 2.368 euros de renda pelo quarto onde dorme e se prostitui, no Kosovan Club. Deixou o seu filho de cinco anos ao cuidado de familiares na sua aldeia, na Roménia. Zurique, Suiça, 2015 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Muitos ciganos deslocados não têm condições financeiras para pedir a cidadania, um processo custoso e, por vezes, muito lento. Alguns não sabem sequer que é possível tentar obtê-la. Fljorim Podujevo tem de provar que os seus pais têm cidadania e apresentar documentos formais que comprovem a sua residência no país. Caso contrário, não poderá ser considerado um cidadão sérvio. 
Belgrado, Sérvia, 2015
Muitos ciganos deslocados não têm condições financeiras para pedir a cidadania, um processo custoso e, por vezes, muito lento. Alguns não sabem sequer que é possível tentar obtê-la. Fljorim Podujevo tem de provar que os seus pais têm cidadania e apresentar documentos formais que comprovem a sua residência no país. Caso contrário, não poderá ser considerado um cidadão sérvio. Belgrado, Sérvia, 2015 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Sunita Ceinioc é vista como privilegiada por outros habitantes da aldeia. A casa da sua família tem chão em cimento.
Apold, Roménia, 2010
Sunita Ceinioc é vista como privilegiada por outros habitantes da aldeia. A casa da sua família tem chão em cimento. Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Muitas das crianças ciganas que vivem o acampamento Cesmi Lug, em Mitrovica, no Kosovo, nasceram com danos cerebrais. Jetula, no canto superior esquerdo da imagem, não é capaz de falar ou caminhar. O governo não presta assistência. Mitrovica, Kosovo, 2010
Muitas das crianças ciganas que vivem o acampamento Cesmi Lug, em Mitrovica, no Kosovo, nasceram com danos cerebrais. Jetula, no canto superior esquerdo da imagem, não é capaz de falar ou caminhar. O governo não presta assistência. Mitrovica, Kosovo, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - A Roménia enfrentava, em 2010, uma crise de habitação social. A gentrificação expulsou os mais pobres do centro das cidades. A comunidade cigana foi uma das mais lesadas nesse processo. Apold, Roménia, 2010
A Roménia enfrentava, em 2010, uma crise de habitação social. A gentrificação expulsou os mais pobres do centro das cidades. A comunidade cigana foi uma das mais lesadas nesse processo. Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - A cerimónia de casamento de Jetula e Ibrahim Krasnici decorre nas traseiras de uma habitação. Apold, Roménia, 2010
A cerimónia de casamento de Jetula e Ibrahim Krasnici decorre nas traseiras de uma habitação. Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - As crianças ajudam os pais a cortar lenha no exterior das suas casas, em Apold, Roménia, 2010
As crianças ajudam os pais a cortar lenha no exterior das suas casas, em Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Em Apold, as famílias que têm animais são consideradas privilegiadas. Apold, Roménia, 2010
Em Apold, as famílias que têm animais são consideradas privilegiadas. Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Na Sérvia, cerca de dois terços dos indivíduos de etnia cigana vivem em acampamentos, sem acesso a água potável, e mais de três quartos vive sem acesso a saneamento básico. Belgrado, Sérvia, 2015
Na Sérvia, cerca de dois terços dos indivíduos de etnia cigana vivem em acampamentos, sem acesso a água potável, e mais de três quartos vive sem acesso a saneamento básico. Belgrado, Sérvia, 2015 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Centenas de indivíduos de etnia cigana, sem cidadania e expulsos do Kosovo, vivem numa floresta, nos arredores de Belgrado. Sérvia, 2015
Centenas de indivíduos de etnia cigana, sem cidadania e expulsos do Kosovo, vivem numa floresta, nos arredores de Belgrado. Sérvia, 2015 ©Åke Ericson
PÚBLICO - O complexo habitacional de Hrebendova foi, inicialmente, construído para albergar 2.500 pessoas de famílias de classe média. Actualmente, reúne entre seis e oito mil ciganos que dão corpo à maior comunidade roma da Europa.
Lunik IX, Eslováquia, 2013
O complexo habitacional de Hrebendova foi, inicialmente, construído para albergar 2.500 pessoas de famílias de classe média. Actualmente, reúne entre seis e oito mil ciganos que dão corpo à maior comunidade roma da Europa. Lunik IX, Eslováquia, 2013 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Os quatro filhos de Sunita Ceinioc partilham a mesma cama. Apold, Roménia, 2010
Os quatro filhos de Sunita Ceinioc partilham a mesma cama. Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Jonathan Castilla Martinez e
Manuel Martinez cuidam dos seus cavalos. Calañas, Espanha, 2018
Jonathan Castilla Martinez e Manuel Martinez cuidam dos seus cavalos. Calañas, Espanha, 2018 ©Åke Ericson
PÚBLICO - No exterior de Košice, na Eslováquia, muitos ciganos vivem em pequenas aldeias nas montanhas. Richnava, Eslováquia, 2014
No exterior de Košice, na Eslováquia, muitos ciganos vivem em pequenas aldeias nas montanhas. Richnava, Eslováquia, 2014 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Richnava é conhecida, na Eslováquia, pela discriminação contra a comunidade cigana, que representa 10% da população. Violência policial e espancamentos por parte de grupos de extrema-direita são comuns. Richnava, Eslováquia, 2014
Richnava é conhecida, na Eslováquia, pela discriminação contra a comunidade cigana, que representa 10% da população. Violência policial e espancamentos por parte de grupos de extrema-direita são comuns. Richnava, Eslováquia, 2014 ©Åke Ericson
PÚBLICO - As crianças ciganas, na Eslováquia, frequentam escolas especiais destinadas a crianças com deficiência. A sua frequência é desencorajada. Richnava, Eslováquia, 2014
As crianças ciganas, na Eslováquia, frequentam escolas especiais destinadas a crianças com deficiência. A sua frequência é desencorajada. Richnava, Eslováquia, 2014 ©Åke Ericson
PÚBLICO - A vista sobre a rua Hrebendova desde a rua Krémériko. Os edifícios encontram-se inabitáveis e em risco de colapso. Lunik IX, Eslováquia, 2013
A vista sobre a rua Hrebendova desde a rua Krémériko. Os edifícios encontram-se inabitáveis e em risco de colapso. Lunik IX, Eslováquia, 2013 ©Åke Ericson
PÚBLICO - A maioria das casas, em Apold, são feitas de barro. Apold, Roménia, 2010
A maioria das casas, em Apold, são feitas de barro. Apold, Roménia, 2010 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Um dos muitos acampamentos ciganos que existe em França; este situa-se nos arredores de Saint Denis, por baixo do viaduto da linha de comboio.
Saint Denis, França, 2012
Um dos muitos acampamentos ciganos que existe em França; este situa-se nos arredores de Saint Denis, por baixo do viaduto da linha de comboio. Saint Denis, França, 2012 ©Åke Ericson
PÚBLICO - Os ciganos romenos que vivem nas ruas de Estocolmo dedicam-se sobretudo à mendicidade. Muitos já pediam nas ruas, em Itália, antes de chegarem à Suécia. Estocolmo, Suécia, 2014
Os ciganos romenos que vivem nas ruas de Estocolmo dedicam-se sobretudo à mendicidade. Muitos já pediam nas ruas, em Itália, antes de chegarem à Suécia. Estocolmo, Suécia, 2014 ©Åke Ericson
Fotogaleria
©Åke Ericson

Ericson conheceu as duas famílias deslocadas. “Eram pessoas muito gentis, amistosas”, relatou. “O município empurrou-as para fora da cidade; passaram a viver a 15 quilómetros de distância do centro de Břeclav, em casas que não dispunham de água canalizada ou aquecimento.” O desrespeito de que foram alvo por parte da instituição governamental checa indignou o sueco, que passaria os oito anos seguintes a documentar o quotidiano deste grupo étnico minoritário em dez países europeus: Roménia, Kosovo, Sérvia, Hungria, Eslováquia, República Checa, Suécia, Suíça, França e Espanha.

“Foram 18 viagens, ao todo”, relembra o fotógrafo. “Oito anos, 18 viagens por dez países.” Mais do dobro dos países que documentou o lendário Josef Koudelka, da Agência Magnum, nos anos 70. Com este projecto, que deu origem ao fotolivro Non Grata, publicado em 2018, Åke pretende desmistificar e deitar por terra os preconceitos que se formaram, na Europa, acerca do modo de vida roma. “Quero revelar a repressão e a miséria de que são vítimas, mas também retratar aqueles que vivem integrados no quotidiano europeu.”

PÚBLICO -
Lunik IX, Eslováquia

Entre o ponto mais a Ocidente e o mais a Oriente onde esteve em contacto com as comunidades ciganas, grandes diferenças se manifestaram, em termos de discriminação, integração e das condições em que vivem. “Em Espanha, por exemplo”, enuncia Åke, “governo após governo tentou integrá-los". "Trinta anos depois, já se dão casamentos entre roma e não-roma e a maioria das crianças ciganas já frequenta a escola pública. Também existe discriminação, claro, mas eles estão integrados. Há ciganos, na Andaluzia, que já esqueceram a língua romani.”

Viver à margem

Na Suécia, por exemplo, os ciganos “vivem em muito melhores condições” do que no Kosovo, afirma, apesar de referir que existem muitos em situação de sem-abrigo no seu país de origem. “Mas a situação a Leste é radicalmente diferente”, sublinha: “Em Mitrovica [no Kosovo], há ciganos a viver em acampamentos montados sobre solos contaminados por chumbo. Em consequência, nesse local, as crianças nascem com malformações. O estado kosovar não presta qualquer tipo de auxílio a esta população.” Åke é peremptório e não se refere, em exclusivo, ao caso kosovar. “[Os ciganos] vivem à margem da sociedade, sem quaisquer direitos humanos: sociais, políticos, culturais ou económicos.”

PÚBLICO -
Foto
Paris, França

A posição longitudinal de cada país não é um indicador fidedigno em matérias de tolerância. Em 2010, o então Presidente francês, Nicolas Sarkozy, expulsou de França mais de mil indivíduos de etnia cigana, de nacionalidades romena e búlgara. Apesar do escândalo que estalou no seio da Comissão e do Parlamento europeus, a medida manteve-se – mesmo que, nos anos seguintes, tenha perdido, consistentemente, tempo de antena nos meios de comunicação social internacionais.

O fotógrafo sueco esteve, em Novembro de 2011, nos arredores de Paris, mais especificamente na comuna de Saint Denis, e assistiu ao desmantelamento de vários acampamentos – prática comum do Governo francês para o combate à habitação ilegal. Visitou um acampamento em particular, onde permaneceu alguns dias. “Nessa altura, não tive muito tempo e as condições eram muito adversas. Quando cheguei a casa e vi as imagens que fiz, fiquei insatisfeito. Quando regressei, por esse motivo, em Junho do ano seguinte, as pessoas que conheci começaram a gritar ‘Mon ami, mon ami’.” “Foi um momento muito emotivo”, recorda.

PÚBLICO - Zurique, Suiça
Zurique, Suiça
PÚBLICO - Belgrado, Sérvia
Belgrado, Sérvia
Fotogaleria

Sob a máfia kosovar

Em Zurique, na Suíça, o único retrato que incluiu em Non Grata é referente a uma mulher roma vítima de tráfico humano para exploração sexual. “Li sobre o assunto e decidi ir até lá. Tive sorte, porque o bordel que encontrei, onde trabalhavam mulheres ciganas, pertencia à máfia kosovar.” Åke desenvolvera trabalho fotográfico documental sobre o período pós-guerra do Kosovo, entre 1999 e 2009, que deu origem ao fotolivro prefaciado por Kofi Annan, Kosovo In Progress. O domínio da língua albanesa ajudou-o a ganhar a confiança dos donos do estabelecimento, que lhe garantiram a entrada. “Fiz várias imagens, mas apenas uma integrou Non Grata”, disse. Nela figura Victoria, que paga 2360 euros de renda pelo quarto onde vive e trabalha; para trás, numa aldeia romena, deixou a sua família e um filho de cinco anos.

Em Belgrado, na Sérvia, Åke esteve em contacto com uma situação peculiar. “Dos membros da comunidade cigana que visitei, nenhum tinha cidadania sérvia. Vivem numa floresta, dormem, por vezes, sob temperaturas de 20 graus Celsius negativos.” Os roma que vivem na Sérvia foram expulsos do Kosovo pela comunidade albanesa, por terem tomado partido no conflito que marcou o país entre 1998 e 1999. O apoio às forças militares sérvias não garantiu, no pós-guerra, qualquer protecção por parte do país, que os vê como indesejados.

“Fiquei duas semanas com eles, em Julho de 2015. Era Verão, os termómetros marcavam 42 graus Celsius, foi uma experiência difícil. Eu voltava, ao fim do dia, para um quarto de hotel refrigerado, eles não. Mas não se pense que, por isso, eu seja rico. Acho que empobreci para poder realizar o projecto.”

O fotógrafo sueco foi apoiado pelo Instituto de Artes de Estocolmo e beneficiário de algumas bolsas de mérito. “[Esses fundos] foram uma grande ajuda”, ressalvou, ainda que a maior parte das despesas tenha sido suportada por si.

PÚBLICO -
Foto
Retrato do fotógrafo sueco Åke Ericson

O foco de Non Grata está, sem dúvida, na região da Europa Central e de Leste, assume. Passou, por isso, parte significativa do seu tempo na Eslováquia e na Roménia, onde testemunhou os episódios mais críticos e onde a discriminação é mais evidente. A selecção fotográfica de Åke reflecte isso mesmo: a grande maioria das imagens foram feitas nesses países.

O maior gueto cigano na Europa

Na Eslováquia, Åke Ericson encontrou o maior gueto cigano da Europa: Lunik IX, em Košice. Um conjunto de edifícios construído pelo Governo eslovaco para albergar 2500 pessoas de classe média é agora a residência de 7500 indivíduos de etnia cigana, de acordo com dados obtidos pelo fotógrafo. “Ao longo dos anos, Lunik IX deteriorou-se e transformou-se numa favela onde existe um escoamento de resíduos urbanos deficitário. As condições de vida são muito precárias, as casas não têm gás, água ou electricidade”, descreve. Na Eslováquia, garante, ter um sobrenome cigano ou viver em Lunik IX “é um passaporte para a pobreza e para a marginalização”.

Åke​ procura entender o motivo pelo qual a comunidade cigana é discriminada na Europa e acredita que a génese está nas conversas que se geram no seio dos lares europeus. “É uma ideia passada de geração em geração”, justifica. “Os pais que têm uma opinião negativa acerca do povo roma transmitem-na aos seus filhos. É algo que passa em conversas corriqueiras que se têm à mesa do jantar. E é verdade que, quando as crianças e jovens saem à rua, também vêem pessoas ciganas a mendigar, o que vem confirmar a tese que lhes foi imputada; mas é um fenómeno circular.”

No caso da Suécia, 80% dos roma que deambulam, sem rumo, pelas ruas de Estocolmo, são provenientes da Roménia e emigraram para escapar às duras condições que enfrentavam no seu país de origem. “Em Janeiro de 2015, a ministra do Trabalho, Família, Protecção Social e do Idoso do Governo da Roménia, Rovana Plumb, visitou Estocolmo”, recorda Åke. “Durante o encontro, a ministra recusou-se a admitir que existe discriminação [contra a etnia cigana] na Roménia. Não foi capaz de assumi-lo.”

Estava um dia muito frio, conta, nevava e as temperaturas rondavam os 15 graus Celsius negativos. “Rovana Plumb recusou encontrar-se com os compatriotas ciganos no exterior.” Para Åke, este é um episódio-modelo, que, acredita, está na génese da relação de mal-estar estabelecida entre ciganos e não-ciganos nos vários países de Leste, onde a tensão é palpável. “A União Europeia tem fundos direccionados para a causa da integração desta minoria que não são usados por estes países, onde a exclusão continua a ser solução”, conclui.

“Desde os três anos que me lembro de me dizerem que todos os seres humanos têm o mesmo valor, independentemente da sua origem”, recorda o sueco de 57 anos. Foi essa máxima que o guiou ao longo dos 40 anos de carreira, feitos em 2018. “Nos anos 90, trabalhava num famoso jornal escandinavo que me levou até à Ucrânia, onde fotografei uma reportagem. O resultado da peça, quando esta foi publicada, foi uma angariação de fundos que recolheu 300 mil euros em prol de uma causa. Aprendi, nesse momento, que o meu trabalho tem o poder de mudar o rumo dos acontecimentos.”

Åke Ericson acha que Non Grata, expressão que significa “indesejado”, deveria ser visto pelo máximo número de pessoas – mas, sobretudo, pela classe política de Bruxelas. “Eu não fiz este trabalho para mim ou por mim. Fi-lo com o coração, sim, mas pensando nas pessoas que retratei.”