Benfica volta aos Açores com um treinador com futuro incerto

Jonas e Ferreyra fora das opções de Bruno Lage para a visita ao Santa Clara. Técnico dos insulares não acredita num adversário frágil.

Foto
Ricardo Nascimento/Correio da Manha

Há mais de 16 anos que o Benfica não viajava até Ponta Delgada para disputar um jogo do campeonato. Na última ocasião em que recebeu os “encarnados”, o Santa Clara até esteve em vantagem no marcador, mas dois golos de Simão Sabrosa deram a volta ao resultado e garantiram a vitória da equipa então orientada por Jesualdo Ferreira. Estávamos em 2002, e o Benfica entrara para a nona jornada no quinto lugar, a quatro pontos do líder FC Porto.

Passados 16 anos, o líder volta a ser o FC Porto. O Benfica viaja para os Açores na terceira posição da tabela, a sete pontos dos “dragões”. E com um treinador cujo futuro ainda é uma incógnita: Bruno Lage assumiu o comando da equipa após a saída de Rui Vitória, estreou-se com um triunfo em casa sobre o Rio Ave, e o resultado desta noite, em Ponta Delgada (19h, hora continental, SP-TV1), poderá ajudar a clarificar a sua situação – há a possibilidade de manter-se ao leme dos “encarnados” até ao final da temporada.

Bruno Lage voltou a não fazer a antevisão da partida, mas o treinador do Santa Clara, João Henriques, desvalorizou o impacto da mudança técnica na Luz. “O Benfica pode estar melhor ou menos bem, mas é sempre uma equipa muito forte. Após a saída do Rui Vitória, conquistou três pontos, venceu por 4-2, fez uma exibição convincente, deu uma boa resposta e nós estamos à espera de um Benfica forte, que vai dar novamente boa resposta a estas transições de treinadores”, notou.

O Santa Clara tem um dos piores registos da I Liga a jogar em casa (sete pontos em oito jogos, pior só o Desportivo de Chaves) e terá pela frente a segunda melhor equipa do campeonato a jogar fora (16 pontos em oito jogos, melhor só o FC Porto). “Somos uma equipa que tem 26 golos no campeonato, que tem um futebol com os olhos sempre na baliza do adversário, e é isso que nós queremos continuar a fazer. Agora, temos é que melhorar os aspectos defensivos, para que não haja tantos golos no nosso estádio. Golos sim, mas a nosso favor. Acima de tudo, a contabilização dos três pontos é que é importante”, frisou João Henriques.