Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Porque o Japão diz não ao casamento gay, Misato e Otaki vão “casar-se” 26 vezes

Juntas desde 2017, Misato e Otaki queriam casar-se — mas o Japão não deixa. Para mostrar o descontentamento, vão viajar por 26 países (Portugal incluído) onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo é permitido e tirar fotografias como se tivessem acabado de se casar. Está aberto um crowdfunding para ajudar na angariação de dinheiro para a viagem.

Se o teu país não te deixa casar com quem amas tens duas opções: resignas-te e aceitas que nunca proferir este “sim”, ou viajas e tiras fotografias como se tivesses acabado de dar o nó. Misato Kawasaki, 21, e Otaki Makoto, 22, optaram pela segunda opção quando o Japão lhes disse que não podiam casar por serem homossexuais. Juntas desde 2017, decidiram que iam, a partir de Março, “casar” 26 vezes em 26 países onde o casamento gay é permitido.

O casal conheceu-se na faculdade, pouco tempo depois de ambas terem descoberto e assumido a homossexualidade, contam ao jornal japonês The Asahi Shimbun. Quando Otaki, depois de alguns meses de namoro, quis fazer a pergunta mágica, percebeu que à luz da legislação vigente, teria de a alterar: “Queres ficar comigo para sempre?” foi a solução mais parecida que encontrou. A pergunta desencadeou uma missão — acabar com a discriminação contra pessoas LGBT no país.

O mote foi “mudar moderadamente a sociedade através do entretenimento” e daí nasceu o #26timeswedding, projecto que prevê que, durante seis meses, as duas jovens passem por 26 países, onde serão fotografadas vestidas a preceito, como se tivessem acabado de casar. Além de partilhar as imagens na página de Instagram, o casal compromete-se a entrevistar governantes e casais japoneses homossexuais a viver nos países onde o casamento gay é legal.

PÚBLICO -
Foto
DR

“Através das nossas fotos de casamento queremos mostrar que ser lésbica, gay, bissexual e transgénero (LGBT) é normal, para que aqueles que estão perturbados pela sua orientação sexual possam ter esperança”, disse Misato ao The Asahi Shimbun. Com as entrevistas, pretendem perceber se a discriminação ainda existe nessas nações e encontrar uma resposta para o porquê de o Japão ainda não permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Assim, esperam passar pela Europa (com paragem em Portugal), África e América do Norte e do Sul. Em Setembro prevêem regressar ao Japão, com ideias para mudar o cenário do país. Depois, querem começar uma empresa de serviços de casamento, pensada para minorias sexuais.

Para que o #26timeswedding seja possível, o casal criou um crowdfunding para angariar um milhão de ienes (cerca de oito mil euros) para cobrir as despesas durante os seis meses de duração da viagem. Até agora, foram doados mais de trezentos mil ienes.

PÚBLICO -
Foto
DR

Enquanto não começam a fazer as malas, Misato e Otaki vão tirando fotografias de casamento no Japão e partilhando experiências nas suas páginas, sem medo de mostrar quem são. "Estamos envolvidas em actividades e revelamos o nosso nome e damos a cara, para que as pessoas fiquem interessadas em nós. Não temos razões para nos esconder."