Georges Dussaud: “A Índia não é uma viagem banal”

L’Odeur de l’Inde é o novo álbum de fotografia do artista francês, que recupera também o texto homónimo que Pier Paolo Pasolini escreveu depois de uma viagem àquele país-continente em 1961, acompanhado por Alberto Moravia e Elsa Morante.

Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud
Fotogaleria
Georges Dussaud Paulo Ricca
Fotogaleria
Pier Paolo Pasolini, Alberto Moravia e Elsa Morante na Índia, em 1961 DR

É verdade que, ao fundo, entrevemos a silhueta da arquitectura exótica do Taj Mahal, além de que há mulheres felizes a passear em riquexós, ou pedaços de uma natureza luxuriante. Mas também vemos cidadãos de corpo vergado sob o peso do trabalho, crianças quase nuas, a desordem do trânsito ou as marcas de uma pobreza generalizada…

“A Índia não é uma viagem banal”. Quem o diz é o fotógrafo francês Georges Dussaud (n. Brou, 1934), que acaba de editar um novo álbum, L’Odeur de l’Inde (Les Éditions de Juillet), reunindo uma selecção de imagens que registou naquele país-continente em cinco viagens realizadas nas décadas de 1990 e 2000.

L’Odeur de l’Inde adopta um título já com história, pois retoma o texto integral – agora acrescentado com as fotografias de Dussaud – do livro homónimo de Pier Paolo Pasolini (1992-1975) inicialmente publicado em Itália pela Longanesi, em 1962 (e em Portugal em 2008, com o título O Cheiro da Índia, pela 90º Editora), revisitando a experiência da viagem que o escritor-cineasta fizera em 1961 àquele país na companhia do casal de escritores Alberto Moravia (1907-1990) e Elsa Morante (1912-1985).

Quem conhece esse relato de Pasolini sabe da impressão negativa com que o autor de Accatone – o seu filme de estreia, realizado nesse mesmo ano – saiu da Índia, mesmo se entre a miséria mais extrema conseguiu intuir a “espiritualidade mais inesperada nos confins de uma humanidade primitiva”.

E como é que Georges Dussaud conciliou a visão de Pasolini com a sua experiência pessoal nesse país (e a da sua companheira Christine, cúmplice fiel de uma obra que vai já em quatro décadas de exposições e livros)? “É verdade que ele, e nós, vimo-nos confrontados com cenas chocantes, insuportáveis, que nos incomodaram e nos fizeram perder as nossas referências”, responde o fotógrafo ao P2.

Como aconteceu com Pasolini, Dussaud também testemunhou na Índia a brusca passagem de situações difíceis de suportar para outras “cheias de uma ternura infinita”. E se admite que o seu olhar se cruzou, inúmeras vezes, com as impressões descritas pelo escritor italiano, virou mais vezes a sua Leica para “a beleza, a graça e a atmosfera sagrada” de um país que, de resto – realça Dussaud –, também ofereceu a Pasolini a oportunidade de realizar um filme como As Mil E Uma Noites (1974).

Georges Dussaud é um autor com obra sobejamente reconhecida em Portugal, país que visitou pela primeira vez em 1980 e que, desde então, tem vindo a percorrer e a fotografar repetidamente, ano após ano, com uma atenção especial às terras do Norte, entre o Douro e Trás-os-Montes – uma carreira que lhe valeu, de resto, ter sido a figura homenageada na última edição do encontro Plast&Cine, em Bragança, em Outubro. Foi na capital transmontana que falou ao P2 da sua nova publicação, e comparou a sua experiência na Índia com a quem tem vivido junto das populações portuguesas, seja em cidades como Bragança e o Porto, seja nas aldeias das Terras do Barroso.

“A diferença entre a Índia e Portugal é que aqui nós temos uma grande proximidade cultural, e aquilo que vemos não mexe propriamente connosco”, nota Dussaud. Nas viagens que fez à Índia entre 1993 e 2006, percorrendo várias cidades e estados do país – de Calcutá a Benares, de Uttar Pradesh a Karnaka –, o casal Dussaud experimentou situações bem diversas. “Quando estivemos no sul, em Kerala, fomos acolhidos por um casal de dançarinos profissionais, e aí conseguimos uma certa intimidade, e a possibilidade de entrar no seu quotidiano; por exemplo, ir às escolas, onde normalmente os fotógrafos não são autorizados a entrar”, diz Dussaud, admitindo, no entanto, que nada é aí tão fácil como em Portugal.

“Mas rapidamente descobri que se tratava de um país formidável para fotografar, um lugar onde estamos permanentemente a ser surpreendidos com cenas de um quotidiano que decorre mais nas ruas e no campo do que propriamente dentro das casas”, acrescenta o fotógrafo, que disse ter experimentado “uma solicitação visual permanente”. E que muito rapidamente se sentiu “à vontade para fotografar as pessoas”.

L’Odeur de l’Inde, que saiu em França em Dezembro, é a segunda experiência de Georges Dussaud com a chancela bretã Les Éditions de Juillet, depois de Intuitions Photographiques (2009), uma selecção de imagens e reflexões sobre fotografia, com texto da jornalista Christine Barbedet, e que curiosamente reúne fotografias da Índia e de Portugal, e também da Irlanda.