Ainda não há sinais da nova Maré de Matosinhos

No concelho parece ainda não ter havido uma mudança de operador naquela que é a maior fatia do serviço de transportes colectivos da localidade. Desde o primeiro dia do ano, a nova empresa já devia estar nas ruas, mas, por agora, apenas de vê a Resende.

Foto
Hugo Santos / Publico

Nesta sexta-feira de manhã, numa paragem de autocarro frente a uma grande superfície de Matosinhos, Cristina Macedo, 66 anos, esperava pela camioneta que a levaria de volta a casa. Ia para Guifões, onde mora. Até ao final de 2018, o único transporte público que a conduzia até lá estava a cargo da Resende.

Após vários meses de negociações, a câmara de Matosinhos anunciou que a partir de dia 1 do primeiro mês deste ano, por força de deficiências diversas, o serviço operado pela Resende passaria a ser responsabilidade da Maré — nova marca da recém-criada ViaMove, a nova sociedade gerida pela Barraqueiro, dona de 51% da empresa, que a divide com o antigo operador, que detém os outros 49%.

A utente, faz aquele percurso diariamente. Os últimos dias não foram excepção. O PÚBLICO pergunta-lhe se já experimentou os autocarros da nova marca. Há quatro dias que parte da frota já estaria em circulação. Afirma ainda não os ter experimentado e reforça: “Ainda não vi nenhum sequer”. Acaba por entrar numa das camionetas com a marca do antigo operador, que entretanto chegou, e segue viagem.

No mesmo local, nos dois sentidos da avenida Calouste Gulbenkian, passam mais cerca de uma dezena de camionetas. Não há sinais da Maré. Todas elas exibem a imagem gráfica da Resende. Ali passam 11 das 22 linhas que transitaram do operador anterior para o novo. Grande parte das 70 camionetas da Resende — as que não apresentarem sinais de impedimento — também farão parte da frota da nova empresa.

Antes disso, questionados, alguns motoristas dizem que até ao dia de ontem não havia nenhuma camioneta com a nova marca na estrada. O PÚBLICO queria testar os novos veículos. Sem efeito.

A meio de Dezembro de 2018, a autarquia garantiu que no primeiro dia do ano a Maré já circularia. Salvaguardou, porém, que até o serviço funcionar em pleno seriam necessários três meses. Durante esse período experimental, alguns dos veículos, até serem todos alterados, ainda circulariam com as cores da Resende. Para a estrada seguiam já os que foram adquiridos pela nova sociedade — no total, até ao final do primeiro trimestre serão 10. Contudo, não só não há nas ruas veículos já adaptados à nova imagem, como também ainda não circulam os novos. No papel o novo operador já é oficialmente responsável pelo serviço. Nas ruas, ainda não há sinais da Maré.

Até Matosinhos viajamos ainda nos autocarros do antigo operador. O horário foi cumprido à risca, o que muitas vezes não acontecia com a Resende. O mesmo aconteceu no regresso. Joana Duarte, residente no Porto, utiliza estas linhas com regularidade. O maior defeito que aponta ao serviço prende-se precisamente com o incumprimento dos horários e com a falta de informação disponível sobre os mesmos.

Nas paragens não há qualquer informação disponível. Só existe no site na empresa matosinhense, mas apenas para alguns pontos de passagem. Ainda não há site da Maré a funcionar, mas a autarquia já garantiu que esse será um dos pontos a corrigir durante o período de teste. Para que não se entre em incumprimento serão ainda contratados 30 novos motoristas.

Ao contrário de Cristina Macedo, esta utente nunca assistiu a um dos vários incidentes envolvendo camionetas da Resende — um dos motivos fortes para a mudança de operador. Já a primeira diz ter presenciado vários. “Uma vez uma das portas caiu à minha frente quando se abriu”, recorda.

Atraso deve-se a problemas burocráticos

Contactada pelo PÚBLICO, a câmara de Matosinhos afirma que ainda não há autocarros com a imagem do novo operador nas ruas por “questões burocráticas” que atrasaram o processo. Parte desse atraso justifica-o por só ter sido emitida licença do IMT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes apenas a 27 de Dezembro. E só no dia seguinte é que a Área Metropolitana do Porto deu o aval. Sublinha, contudo, que o novo serviço só estará a funcionar em pleno ao fim de três meses, como já tinha referido anteriormente.

A autarquia precipitou-se ao anunciar que no dia 1 de Janeiro a Maré já estaria a circular. A Barraqueiro, que chegou a acordo com a Resende numa operação conduzida pela câmara, é mais prudente. Não adianta uma data exacta para que os primeiros autocarros com a imagem do novo operador comecem a circular. Afirma apenas que esse processo será desencadeado nas próximas semanas, até que no final do primeiro trimestre, preferencialmente, já não existam camionetas com o logótipo da Resende. 

É nessa altura que esperam ter resolvido todos os problemas de mau funcionamento associados ao operador anterior, que, agora debaixo da gestão da Barraqueiro, continua a fazer parte desta solução.