Mortalidade nas estradas durante o Natal duplicou em 2018

Números provisórios da operação Natal Tranquilo da GNR contabilizam 14 vítimas mortais, o dobro das registadas em 2017. Acção teve início na madrugada de sexta-feira e termina à meia-noite desta quarta-feira.

Operação "Natal Tranquilo" da GNR já contabilizou 14 vítimas mortais
Foto
Operação "Natal Tranquilo" da GNR já contabilizou 14 vítimas mortais Nelson Garrido

Pelo segundo ano consecutivo, o número de vítimas mortais durante a operação Natal Tranquilo da Guarda Nacional Republicana (GNR) sofre uma subida acentuada. Os números provisórios apontam para 14 vítimas mortais, o dobro das registadas em 2017. A acção da GNR teve início na sexta-feira e prolonga-se até à meia-noite desta quarta-feira e conta com mais de 1.400 militares no terreno. 

No total, foram 1191 acidentes de viação, dos quais resultaram 22 feridos graves e 390 feridos ligeiros. Os distritos de Lisboa, Braga e Aveiro foram, por esta ordem, os distritos onde se registaram maior número de ocorrências no decorrer da operação "Natal Tranquilo".

O cenário verificado em 2018 fica mais negro quando temos em comparação os dois anos anteriores. Em 2017, contabilizaram-se sete vítimas mortais nas estradas portuguesas nos mesmos cinco dias, num total de 932 acidentes de viação. O número total de feridos fixou-se em 318, com 299 pessoas a registar ferimentos ligeiros e 19 feridos graves. Já em 2016, apesar de se verificarem 750 acidentes de viação, apenas houve registo de uma vítima mortal. Oito feridos graves e 240 feridos leves completaram o balanço da GNR que simbolizou o registo mais baixo de mortalidade da "Operação Natal Tranquilo" dos últimos cinco anos.

Todos os anos, a GNR realiza a operação Natal Tranquilo, com o objectivo de prevenir a sinistralidade rodoviária, garantir a fluidez do tráfego e apoiar todos os utentes da via, no sentido de optimizar a segurança das deslocações nas estradas portuguesas.