Conselho Superior de Defesa aprova forças nacionais destacadas para 2019

João Gomes Cravinho participou, pela primeira vez, numa reunião do Conselho Superior de Defesa.

Marcelo preside ao Conselho Superior de Defesa
Fotogaleria
Marcelo preside ao Conselho Superior de Defesa LUSA/MIGUEL A. LOPES
Esta foi a primeira reunião e que o ministro João Gomes Cravinho participou
Fotogaleria
Esta foi a primeira reunião e que o ministro João Gomes Cravinho participou LUSA/MIGUEL A. LOPES

O Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) apreciou nesta segunda-feira o "processo de implementação" da Lei de Programação Militar (LPM), do Governo, e deu "luz verde" à proposta de Forças Nacionais Destacadas para 2019.

O conselho, órgão de consulta para assuntos relativos à defesa nacional, reuniu-se hoje, sob a presidência do Chefe do Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, que é também comandante supremo das Forças Armadas.

Na reunião, segundo o comunicado do CSDN, foi também dado parecer favorável à prorrogação do mandato do brigadeiro general Hermínio Maio na missão da União Europeia na República Centro-Africana.

Esta foi a reunião de estreia do novo ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, e do novo Chefe de Estado-Maior do Exército (CEME), general José Nunes da Fonseca, a quem Marcelo Rebelo de Sousa deu as boas vindas, segundo lê-se no comunicado.

O Presidente da República agradeceu os "valiosos contributos" do anterior ministro José Alberto Azeredo Lopes e do anterior CEME José Rovisco Duarte, que "cessaram as suas funções".

No domingo, em declarações à Lusa, em Bangui, capital da República Centro-Africana, o ministro da Defesa Nacional defendeu que Portugal "tem ainda um papel imprescindível a desempenhar" na República Centro-Africana (RCA), na estabilização do país, e vai propor o prolongamento das duas missões.

"Amanhã [hoje] será discutido no Conselho Superior de Defesa Nacional a colocação das nossas Forças Nacionais Destacadas em 2019, a proposta que vamos fazer vai no sentido da manutenção desta missão, naturalmente que não me posso antecipar às conclusões, mas acreditamos que temos um papel imprescindível ainda a desempenhar aqui na RCA", afirmou.

O ministro da Defesa, o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro, e o chefe do Estado-Maior do Exército, general Nunes da Fonseca, estiveram no domingo, numa curta visita, com os militares portugueses nas missões da ONU [MINUSCA] e da União Europeia na RCA, em Bangui.

O Conselho de Ministros aprovou, em 22 de Novembro, a proposta de Lei de Programação Militar, que define os projectos de meios e equipamento das Forças Armadas para o período 2019/2030 e prevê um investimento de 4,74 mil milhões de euros.