Mais de 20 mil professores acham que consomem medicação a mais

Há também 9000 docentes que revelam estar preocupados com o seu consumo de álcool ou drogas. Classe recorre a estas substâncias como doping para enfrentar o trabalho, diz estudo da Universidade Nova de Lisboa encomendado pela Fenprof.

Foto
PÚBLICO

Cerca de 22 mil professores portugueses entendem que tomam medicação a mais e outros 9000 que consomem álcool ou drogas em excesso. Os docentes estão a usar estas substâncias como doping para conseguirem aguentar o ritmo de trabalho e as exigências da organização das escolas, conclui um estudo da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa (UNL), cujos resultados completos serão apresentados nesta sexta-feira.

A investigação (que tem como título Inquérito Nacional sobre as Condições de Vida e Trabalho na Educação em Portugal) foi uma encomenda da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e já tinha tido uma primeira apresentação em Julho. Esta sexta-feira serão divulgados dados mais completos e será feita uma publicação com o conteúdo da investigação.

De acordo com este trabalho da FCSH, 18,7% dos professores preocupam-se com o seu consumo de, pelo menos, uma destas substâncias: medicamentos, álcool e drogas. Destes, a maioria mostra inquietação face ao consumo de medicação. Correspondem a 15,4% dos docentes. Em 2016 estavam ao serviço 145.549 professores – é este o valor de referência usado pelo estudo.

Outros 3,2% (cerca de 4600) dos docentes mostram preocupação com o seu consumo de drogas, a mesma percentagem dos que revelam poder estar a consumir álcool a mais. "Cerca de 3% apresentam consumos combinados de álcool, droga e medicamentos", lê-se no documento que será apresentado no II Encontro Internacional sobre o Desgaste na Profissão Docente, em Lisboa.

PÚBLICO -
Aumentar

Os dados apresentados correspondem a autopercepções. Isto é, os professores revelam a sua própria percepção dos seus consumos, não havendo uma caracterização médica que permita perceber se estes são ou não excessivos e se há casos de dependências. O estudo apresenta uma margem de erro de apenas 0,5% e uma confiança nos seus resultados de 99%. Foram inquiridos quase 16 mil docentes.

Medicamentos, drogas e álcool são considerados no estudo não como substâncias associadas a consumos recreativos, mas enquanto doping. “Estas substâncias são usadas pelos professores para conseguirem acompanhar os ritmos de trabalho e a forma como se organiza o trabalho”, explica Raquel Varela, investigadora da UNL que coordenou o projecto. Os resultados mostram, defende, que há uma “percentagem elevada” de professores que estão a trabalhar “muito doentes”.

"Olhar com muito cuidado para estes dados"

PÚBLICO -
Aumentar

António Leuschner, psiquiatra e presidente do Conselho Nacional de Saúde Mental, alerta, porém, que é preciso "olhar com muito cuidado para estes dados", evitando extrapolações, uma vez que o estudo não identifica o tipo de medicação que os professores consideram que estão a tomar em excesso. "É muito diferente falarmos de psicofármacos ou analgésicos", explica. Ainda assim, admite que uma parte dos docentes possa, de facto, tomar antidepressivos em excesso à semelhança do que acontece com a generalidade da população portuguesa.

O trabalho da UNL para a Fenprof mostra também que quase metade (47,8%) dos professores revela sinais no mínimo preocupantes de exaustão emocional — 20,6% mostram sinais “preocupantes”, 15,6% apresentam “sinais críticos” e 11,6% têm já “sinais extremos” de esgotamento.

Os investigadores cruzaram estes indicadores com os dados recolhidos sobre o consumo de álcool, drogas ou medicamentos e encontraram uma relação de “fortíssima dependência” entre as duas variáveis. Ou seja, os professores que se encontram em situação de esgotamento emocional extremo são os que revelam estar mais preocupados com os seus níveis de consumo.

PÚBLICO -
Aumentar

Apesar de o estudo da UNL mostrar que os níveis de exaustão emocional existentes entre os professores portugueses são superiores aos registados na generalidade dos países com os quais é feita uma comparação, o recurso a medicamentos, álcool e drogas como doping tem indicadores “muito semelhantes” aos encontrados em outros países, refere Raquel Varela.

A Fenprof sublinha que o estudo "consegue provar que o problema é de organização do trabalho". "O afastamento entre as expectativas dos docentes e a realidade do exercício da sua profissão é a principal causa dos problemas diagnosticados", valoriza o sindicato, num comunicado tornado público esta sexta-feira.

PÚBLICO -
Aumentar

A Fenprof apresenta a investigação da UNL como "um instrumento valioso de intervenção e acção". Já o Ministério da Educação não quis fazer comentários ao estudo.

Reformas antecipadas

De acordo com o estudo encomendado pela Fenprof, 42,5% dos professores não estão realizados profissionalmente. Essa é uma das três dimensões que permitem caracterizar uma situação de burnout. As outras duas são a exaustão emocional e a sensação de despersonalização (que se observa quanto um profissional que trabalha com pessoas começa a encará-las como “coisas”). Esta última aparece com uma prevalência muito baixa entre os professores (7,6%).

O estudo mostra também uma correlação entre o esgotamento demonstrado pelos professores e a sua vontade de encurtarem as respectivas carreiras. Quase 70% dos docentes inquiridos mostram uma vontade “muito elevada” de reforma antecipada. Se a estes acrescentarmos também aqueles que demonstram uma vontade “elevada” de deixarem de trabalhar mais cedo, o valor sobe para 84,2%. São “praticamente todos” sublinham os investigadores da UNL.

Apenas 2,4% dos professores têm uma vontade “muito baixa” de se reformarem mais cedo. No mesmo sentido, 94,8% dos professores mostram-se favoráveis à existência de alterações legais no regime de reforma da profissão.